Revista do mês
Nova Escola
Assine Nova Escola

Escola boa é aquela em que todos aprendem

Para a educadora, é possível melhorar a qualidade do ensino favorecendo também alunos de famílias não escolarizadas

Paola Gentile

Foto: Masao Goto Filho
Masao Goto Filho

A partir de setembro, o Canal Futura (da Fundação Roberto Marinho) e a Fundação Victor Civita (FVC) responsável pela publicação da revista Escola , colocarão no ar dez programas sobre a educação no Brasil. O objetivo é discutir os grandes problemas dessa área, rompendo com alguns "chavões" que são apontados como causas da baixa qualidade do ensino, como por exemplo o de que as crianças pobres, que agora estão quase todas na escola, são mal nutridas ou pertencem a famílias que não valorizam a educação formal. "Se nossas crianças não conseguem aprender é porque existe algo errado com o ensino que elas estão recebendo", alerta Guiomar Namo de Mello, diretora executiva da FVC e autora do documento Os Dez Maiores Problemas da Educação Básica no Brasil (e Suas Possíveis Soluções), no qual a série de TV será baseada.

Para os produtores do programa, é preciso desmitificar esse discurso e mostrar ao público em geral como a cultura escolar elitista, uma gestão ineficaz e os interesses corporativos de diversas áreas são fatores que dificultam um salto qualitativo na educação escolar brasileira. Tudo isso sem deixar de abordar os possíveis caminhos para atingir essa meta. Nesta entrevista, Guiomar faz uma prévia das questões que serão tratadas na série de programas e afirma que informar a sociedade é um passo importante.

O que se pode esperar quando fundações ligadas às duas principais empresas de comunicação do país se unem para falar sobre educação?

A população em geral tem informação fragmentada e pontual sobre educação. Por isso, juntamos o potencial das duas instituições no conteúdo informativo e no poder de divulgação para discutir o tema de forma abrangente. Essa união dá um recado para todos: cada um de nós, pessoa física ou jurídica, deveria deixar seus interesses particulares de lado e tomar a iniciativa, dentro de sua área de atuação, de discutir a educação no Brasil.

Quais são os grandes problemas da educação brasileira?
Fomos buscar nas causas estruturais e históricas os obstáculos que impedem nossos alunos de aprender. Temos de começar falando de uma cultura escolar elitista, herança do tempo do Império, e da falta de visão estratégica por parte do governo. Junte-se a isso uma gestão pública ineficiente, em que por mais de um século o governo federal não se articulou com estados e municípios para implementar as políticas e os legislativos, em geral, não exerceram seu papel fiscalizador. A sociedade, por sua vez, em grande parte por causa do aligeiramento com que a mídia trata a questão, é mal informada e tende a confundir aparência com essência. Temos ainda os interesses corporativistas, a estrutura precária de formação do educador, o mito das "causas nobres" como o Ensino Fundamental de nove anos e a educação em tempo integral que às vezes aparecem como possíveis soluções. A qualidade ainda é confundida com um ensino de elite, o que só colabora para a nossa educação ficar fora de sintonia com o século 21.

O que é uma escola de qualidade?
É aquela na qual todos entram e todos aprendem. Escolhemos justamente esse tema para abrir a série na televisão porque ainda hoje se acredita que escola boa é a aquela que "puxa" e reprova, uma escola de minoria, na qual o processo de adquirir informação é mais importante do que o de constituir sentidos. No tempo em que a escola era de poucos, as crianças que a freqüentavam construíam significados em outros lugares. Elas pertenciam a famílias escolarizadas e dominavam as chaves para formar os conhecimentos. A escola pública foi programada para esse tipo de aluno. Quando começou a receber quem não tinha essa bagagem, ela entrou em crise. Apesar do empenho e da dedicação de muitos professores, os grandes números indicam infelizmente que a escola pública brasileira foi desenhada para quem já sabe, não para quem não sabe e precisa dela para aprender.

Qual é a chave que facilita a construção de conhecimentos?
É basicamente a linguagem. A mãe educada desde muito cedo mantém com o filho uma conversa articulada segundo o código culto da linguagem. A família mora em uma casa com livros, onde o jornal chega diariamente. Tudo isso é fundamental no desenvolvimento lingüístico. Os alunos que entraram na escola pública durante a expansão ocorrida nas duas últimas décadas do século passado vêm de outro universo simbólico, de outro tipo de socialização primária. O grande desafio da escola tem sido trabalhar com eles. Então se diz que são as crianças que têm problemas, quando o problema de fato é a escola que não sabe ensiná-las. É preciso saber ensinar a todos, partindo de pontos diversos. Isso é o significado mais nobre do termo "respeito à diversidade".

Como deveria ser o ensino do professor para atender a diversidade?
Teria de ser uma formação que preparasse o professor para dar respostas diferentes, dependendo da realidade da criança e de suas necessidades. Ele precisa saber fazer a transposição didática dos conhecimentos universais que serão ensinados em sala de aula, transformando-os em conhecimentos significativos para os alunos, quaisquer que sejam suas origens e condições socioeconômicas. Enquanto a escola era de minoria, o professor enfrentava melhor as situações, já que a demanda era mais homogênea. Hoje a formação é absolutamente insuficiente para dar ao professor um repertório diversificado de recursos e de metodologias que ele possa dominar, adaptar e improvisar, para serem utilizados com diferentes crianças, em diferentes momentos.

Como deveria ser o currículo para formar professores competentes?
Ninguém ensina o que não aprendeu. Por isso o curso de formação precisa dar peso grande ao conteúdo que vai ser ensinado. O problema não é novo. O professor de 1ª a 4ª série era formado apenas no normal de nível médio. Ao se perceber que a formação desse professor estava deficitária, decidiu-se exigir dele curso superior. Mas onde encaixar o professor polivalente em uma universidade que é organizada por disciplinas, por departamentos? Por exclusão, essa formação foi atribuída aos cursos de pedagogia. Mas nesses cursos não existem estudos dos conteúdos a serem ensinados. Lá se aprende História e Psicologia da Educação, Planejamento Educacional, mas não os níveis mais elevados da Matemática, a Língua Portuguesa ou as Ciências que as crianças precisam aprender.

O professor de 5ª a 8ª série é melhor preparado do que o de 1ª a 4ª por dominar os conteúdos especializados?
Também não. Esse professor fez o Ensino Médio que provavelmente não foi o magistério e decidiu fazer faculdade de matemática, por exemplo. Lá ele aprendeu muito bem cálculo diferencial e outras coisas complicadas. Mesmo freqüentando algumas disciplinas na faculdade de educação, para obter a licenciatura, ele continuou sem aprender o que precisa saber para ensinar matemática para a garotada de 12 anos que mora na periferia de grandes cidades ou em áreas rurais.

Qual é a saída para a formação do professor?
Ter uma instituição de ensino superior dedicada exclusivamente à formação de professores, os Institutos Superiores de Educação (ISEs), velho sonho de Darcy Ribeiro, que foram criados na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Essas instituições não devem ter as fragmentações disciplinares que ocorrem na universidade. São obrigatoriamente multidisciplinares. Mas só isso não basta. É indispensável municiar o professor com orientações didáticas para o trabalho em sala de aula, que sugiram planos e seqüências didáticas, que apontem boas práticas e exemplifiquem com a experiência de quem já fez e deu certo. Esse processo é parte importante da educação continuada e deveria ocorrer cotidianamente, no chão da sala de aula.

Como garantir que a capacitação inicial dos educadores seja eficaz?
Além de ser feita nos ISEs, essa formação precisa estar acoplada a um sistema de certificação. Exames desse tipo deveriam ser exigidos para entrar e progredir na carreira, com bolsas de auxílio para aperfeiçoamento dos que não conseguissem desempenho satisfatório ou estímulo salarial para os que fossem bem-sucedidos nesses exames. Por outro lado, deveria haver apoio financeiro aos alunos que fazem cursos de magistério: o governo pagaria os cursos para quem precisasse fazê-los em escolas privadas que comprovassem a sua qualidade. Hoje os alunos, em geral mais pobres, pagam o curso de formação superior e os sistemas públicos de ensino os empregam mesmo que a formação tenha sido de má qualidade. Um sistema do tipo ISO 9000 deveria ser instituído para as escolas privadas. As que fossem certificadas seriam habilitadas a receber alunos subsidiados pelo governo. Aqueles que quisessem cursar escolas ruins o fariam por sua conta e risco.

Um dos problemas que serão abordados nos programas é a cultura escolar elitista. Como superar isso?
Essa mania de pensar na escola como preparatória para a próxima etapa é uma tradição claramente elitista. A criança da 2ª série é tratada como se estivesse lá para passar para a 3ª. A que está na 5ª, para chegar à 8a e tirar o diploma do Ensino Fundamental. Ela entra no Ensino Médio para se preparar para o vestibular. E quando chega à faculdade é que o sistema vai procurar ensinar conhecimentos relacionados à realidade. Mas e aqueles que não conseguiram chegar ao Ensino Superior? Para mudar uma cultura é preciso que a escola se pergunte todos os dias se o que está ensinando está sendo aprendido e pode ser relevante para a vida do aluno no presente e no futuro.

O corporativismo sindical é um entrave para a melhoria da educação?

Não se trata somente do corporativismo dos professores, que em muitos casos lutaram por condições de trabalho e se esqueceram da questão educacional. Tem também o interesse do setor público e do setor privado no Ensino Superior, em que o primeiro se mantém pequeno e de "excelência", mas abre o mercado para o outro explorar; tem o lobby das construtoras, que por muito tempo foi auxiliado pela idéia de que política educacional era construção de escolas; tem o conservadorismo das editoras de livros didáticos, pouco permeáveis a inovações nessa área. O problema é: quem é que faz o lobby da criança? Este é um papel do poder público: enfrentar os corporativismos na defesa dos interesses dos alunos. Mas sozinho o poder público não vai ser capaz. É preciso que a sociedade saiba diferenciar o essencial do acessório, participar, fiscalizar e exigir uma educação de melhor qualidade e dar sustentação às políticas de melhoria da qualidade, mesmo que elas sejam impopulares dentro do setor educacional.

Qual o papel do diretor e do coordenador pedagógico na construção desse ensino de qualidade?
O diretor, principalmente, é fundamental. Ele é líder de um projeto comum da escola e precisa apoiar a equipe para ter clareza dos objetivos, incorporando a participação da comunidade. Cada escola precisa ter uma comunidade organizada atrás dela para preservar seu trabalho e para apontar as falhas. Mas sem cair na síndrome da participação, na qual tudo deve ser resolvido pela gestão democrática. Tem coisas que a escola tem obrigação de saber. Ela não pode consultar a população, por exemplo, sobre material de alfabetização mais adequado, até porque os pais confiaram a ela essa responsabilidade.

Qual é o limite da participação dos pais na gestão da escola?
É uma questão de bom senso, confiança e projeto comum. Os pais precisam estar cientes de todos os problemas e sempre que possível contribuir para as discussões das soluções que serão implementadas. É preciso que exista uma relação de confiança entre a escola e os pais, para que estes se sintam seguros quanto ao acerto de decisões estritamente técnicas. Estas, por sua vez devem ser apresentadas a eles em termos simples, sem "pedagogês". Os pais não precisam e na maioria das vezes nem querem ter ingerência em decisões estritamente técnicas, mas com certeza eles as apoiarão se forem parte de um projeto comum, de cuja construção eles foram protagonistas.

Por que ampliação do Ensino Fundamental de oito para nove anos e o período integral não são bons caminhos possíveis para a melhoria da educação no Brasil?
Não adianta manter as crianças por mais tempo na escola se o que ela oferece continuar a não ter qualidade. Sem contar a Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o Médio somam juntos 11 anos. É preciso indagar: o que fazer para todos permanecerem no sistema de ensino esses anos e conseguir ter aprendizagens significativas? Adianta prolongar em um ano a permanência na escola se o dinheiro, por exemplo para pagar os professores, continuar o mesmo, assim como os recursos didáticos que são usados em sala de aula? Essas são as ditas "causas nobres" que não resolvem os problemas e ainda contribuem para desviar a atenção das questões que realmente importam. Antes do Fundef [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério] a questão em evidência era o tempo integral. Agora é o aumento dos anos do Fundamental. Ambos não incidem sobre o que de fato melhora a qualidade: materiais de qualidade, condições de trabalho e formação inicial e continuada do professor, construção de um projeto pedagógico com a participação de todos. Por que a "causa nobre" mudou do tempo integral para o Ensino Fundamental de nove anos? Porque ao elevar o número de anos do Fundamental, eleva-se também o número de alunos (uma coorte a mais nesse ensino). Conseqüentemente, o dinheiro do Fundef, que é calculado per capita e exclusivo do Ensino Fundamental, também cresceria.

Quer saber mais?

Educação Escolar Brasileira - O que Trouxemos do Século XX?, Guiomar Namo de Mello, 216 págs., Ed. Artmed, tel. 0800-7033444, 36 reais

Social-democracia e Educação, Guiomar Namo de Mello, 96 págs.,Ed. Cortez, tel. (11) 3864-0111, edição esgotada

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários

 

Publicado em NOVA ESCOLAEdição 173, Junho 2005,
Assine já a sua revista!
Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.