Revista do mês
Nova Escola
Assine Nova Escola

Prova Brasil de Língua Portuguesa - 9º ano: coerência e coesão no processamento do texto

Esta prova exige repertório para ler e entender textos dos mais simples aos mais complexos, dependendo do vocabulário, da organização e das pistas linguísticas, entre outros aspectos. A análise das questões e as sugestões didáticas a seguir são de Claudio Bazzoni, assessor de Língua Portuguesa da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo e selecionador do Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10

Saiba mais sobre a Prova Brasil 2011

Relacionar partes do texto (Descritor 2)

Assaltos insólitos

  Assalto não tem graça nenhuma, mas alguns, contados depois, 
até que são engraçados. É igual a certos incidentes de viagem, que, 
quando acontecem, deixam a gente aborrecidíssimo, mas depois, 
narrados aos amigos num jantar, passam a ter sabor de anedota.
05   Uma vez me contaram de um cidadão que foi assaltado em sua 
casa. Até aí, nada demais. Tem gente que é assaltada na rua, no 
ônibus, no escritório, até dentro de igrejas e hospitais, mas muitos 
o são na própria casa. O que não diminui o desconforto da situação. 
Pois lá estava o dito-cujo em sua casa, mas vestido em roupa de
10 trabalho,  pois resolvera dar uma pintura na garagem e na cozinha. 
As crianças haviam saído com a mulher para fazer compras e o 
marido se entregava a essa terapêutica atividade, quando, da 
garagem, vê adentrar pelo jardim dois indivíduos suspeitos. 
Mal teve tempo de tomar uma atitude e já ouvia:
15

— É um assalto, fica quieto senão leva chumbo.
Ele já se preparava para toda sorte de tragédias quando um dos 
ladrões pergunta:
— Cadê o patrão?
Num rasgo de criatividade, respondeu:

20 — Saiu, foi com a família ao mercado, mas já volta.
— Então vamos lá dentro, mostre tudo.
Fingindo-se, então, de empregado de si mesmo, e ao mesmo tempo
para livrar sua cara, começou a dizer:
— Se quiserem levar, podem levar tudo, estou me lixando, não gosto desse patrão.
25 Paga mal, é um pão-duro. Por que não levam aquele rádio ali? 
Olha, se eu fosse vocês levava aquele som também. Na cozinha tem 
uma batedeira ótima da patroa. Não querem uns discos? Dinheiro 
não tem, pois ouvi dizerem que botam tudo no banco, mas ali dentro 
do armário tem uma porção de caixas de bombons, que o patrão é 
30 tarado por bombom. 
Os ladrões recolheram tudo o que o falso empregado indicou e 
saíram apressados.
Daí a pouco chegavam a mulher e os filhos.
Sentado na sala, o marido ria, ria, tanto nervoso quanto aliviado do 
35 próprio assalto que ajudara a fazer contra si mesmo.

SANTANNA, Affonso Romano. Porta de Colégio e Outras Crônicas.
São Paulo: Ática 1995. (Coleção Para Gostar de Ler).

No trecho "e o marido se entregava a essa terapêutica atividade" (l. 18-19), a expressão destacada substitui

(A) fazer compras.
(B) ir ao mercado.
(C) narrar anedotas.
(D) pintar a casa.

Análise
A resposta a este item exige o reconhecimento dos elementos que dão coesão ao texto. Dessa forma, identificam-se quais palavras estão sendo substituídas, principalmente para evitar repetições e facilitar a continuidade dele. O autor lançou mão da expressão "essa terapêutica atividade" para substituir outra e retomar uma ideia já citada: "uma pintura na garagem e na cozinha".

Orientações
Há uma estreita ligação entre o princípio da coesão e a compreensão do texto. Muitas vezes, o aluno não compreende o que lê por não operar bem com as relações de coesão. Por isso, é muito importante propor atividades em que ele tenha que localizar os processos de coesão: pronomes demonstrativos e relativos, advérbios e expressões adverbiais e sinônimos que aparecem para substituir algumas expressões do texto, entre outros.

Relacionar partes do texto (Descritor 13)

O dono da casa livra-se de toda sorte de tragédias, principalmente, porque

(A) aconselha a levar o som.
(B) conta os defeitos do patrão.
(C) mente para os assaltantes.
(D) mostra os objetos da casa.

Análise
Para identificar o motivo pelo qual "o dono da casa livra-se de toda sorte de tragédias", a tarefa é estabelecer uma relação de causa e consequência entre partes e elementos do texto, percebendo que "o rasgo de criatividade" - expressão citada pelo autor - é a ideia de farsa (mentira) que o dono da casa sustenta para os assaltantes.

Orientações
Um meio de aprimorar essa habilidade é propor atividades de produção de argumentos de causa e efeito dentro de temas diversos. Os jovens podem proceder da seguinte forma: para encontrar as razões de determinado fato citado por você, eles expressam os porquês. Já para encontrar as consequências, baseiam-se na pergunta "O que acontece em função disso?".

Identificar a tese do texto (Descritor 7)

Vínculos, As Equações da Matemática da Vida

5 Quando você forma um vínculo com alguém, forma
uma aliança. Não é à toa que o uso de alianças é um dos
símbolos mais antigos e universais do casamento. O círculo
dá a noção de ligação, de fluxo, de continuidade.
Quando se forma um vínculo, a energia flui. E o vínculo só se
10 mantém vivo se essa energia continuar fluindo. Essa é a
ideia de mutualidade, de troca.
Nessa caminhada da vida, ora andamos de mãos dadas,
em sintonia, deixando a energia fluir, ora nos distanciamos.
Desvios sempre existem. Podemos nos perder em

 

15

um deles e nos reencontrar logo adiante. A busca é permanente.
O que não se pode é ficar constantemente fora
de sintonia.
Antigamente, dizia-se que as pessoas procuravam se
completar através do outro, buscando sua metade no
20 mundo. A equação era: 1/2 + 1/2 = 1.
"Para eu ser feliz para sempre na vida, tenho que ser a
metade do outro." Naquela loteria do casamento, tirar a
sorte grande era achar a sua cara-metade.
Com o passar do tempo, as pessoas foram desenvolvendo
25 um sentido de individualização maior e a equação
mudou. Ficou: 1 + 1 = 1.
"Eu tenho que ser eu, uma pessoa inteira, com todas as
minhas qualidades, meus defeitos, minhas limitações. Vou
formar uma unidade com meu companheiro, que também
30 é um ser inteiro." Mas depois que esses dois seres inteiros
se encontravam, era comum fundirem-se, ficarem grudados
num casamento fechado, tradicional. Anulavam-se
mutuamente.
Com a revolução sexual e os movimentos de libertação
35 feminina, o processo de individuação que vinha aconte-
cendo se radicalizou. E a equação mudou de novo: 1 + 1
= 1 + 1.
Era o "cada um na sua". "Eu tenho que resolver os meus
problemas, cuidar da minha própria vida. Você deve fazer
40 o mesmo. Na minha independência total e autossuficiência
absoluta, caso com você, que também é assim." Em
nome dessa independência, no entanto, faltou sintonia,
cumplicidade e compromisso afetivo. É a segunda crise do
casamento que acompanhamos nas décadas de 70 e 80.
45 Atualmente, após todas essas experiências, eu sinto as
pessoas procurando outro tipo de equação: 1 + 1 = 3.
Para a aritmética ela pode não ter lógica, mas faz sentido
do ponto de vista emocional e existencial. Existem
você, eu e a nossa relação. O vínculo entre nós é algo diferente
50 de uma simples somatória de nós dois. Nessa proposta
de casamento, o que é meu é meu, o que é seu é seu
e o que é nosso é nosso.
Talvez aí esteja a grande mágica que hoje buscamos,
a de preservar a individualidade sem destruir o vínculo
55 afetivo. Tenho que preservar o meu eu, meu processo de
descoberta, realização e crescimento, sem destruir a relação.
Por outro lado, tenho que preservar o vínculo sem
destruir a individualidade, sem me anular.
Acho que assim talvez possamos chegar ao ano 2000
60 um pouco menos divididos entre a sede de expressão individual
e a fome de amor e de partilhar a vida. Um pouco
mais inteiros e felizes.
Para isso, temos que compartilhar com nossos companheiros
de uma verdadeira intimidade. Ser íntimo é ser
  próximo, é estar estreitamente ligado por laços de afeição
e confiança.

MATARAZZO, Maria Helena. Amar É Preciso. 22. 
ed. São Paulo: Editora Gente, 1992, p. 19-21
 

No texto, no casamento, atualmente, defende-se a ideia de que

(A) a felicidade está na somatória do casal.
(B) a unidade é igual à soma das partes.
(C) o ideal é preservar o "eu" e o vínculo afetivo.
(D) o melhor é cada um cuidar de sua própria vida.

Análise
A tese é um ponto de vista assumido, apoiado por argumentos de causa e efeito - por exemplo, por dados e informações. Essa questão avalia a habilidade de reconhecer a ideia central defendida pelo autor. Para respondê-la, é necessário primeiro considerar o "atualmente" que aparece no enunciado, já que o texto trata do casamento desde a Antiguidade. Dessa forma, o leitor tem de perceber que "preservar o ‘eu’ e o vínculo afetivo" é a temática desenvolvida pelo autor quando se refere ao casamento nos dias de hoje.

Orientações
Abuse dos textos curtos de opinião para desenvolver essa habilidade. Após lê-los e discuti-los, o grupo pode identificar o tema, a tese e os argumentos propostos. Outra possibilidade é propor atividades de escrita em que são elaborados pontos de vista diferentes sobre um tema.

Estabelecer relações entre a tese e o argumento (Descritor 8)

A dor de crescer

  Período de passagem, tempo de agitação e turbulências. Um 
fenômeno psicológico e social, que terá diferentes particularidades 
de acordo com o ambiente social e cultural. Do latim ad, que quer 
dizer para, e olescer, que significa crescer, mas também adoecer
05    enfermar. Todas essas definições, por mais verdadeiras que sejam, 
foram formuladas por adultos.
"Adolescer dói" - dizem as psicanalistas (Margarete, Ana Maria e 
Yeda) - "porque é um período de grandes transformações.
10 Há um sofrimento emocional com as mudanças biológicas e mentais 
que ocorrem nessa fase. É a morte da criança para o nascimento do 
adulto. Portanto, trata-se de uma passagem de perdas e ganhos e 
isso nem sempre é entendido pelos adultos."
Margarete, Ana Maria e Yeda decidiram criar o "Ponto de
15 Referência" exatamente para isso. Para facilitar a vida tanto dos 
adolescentes quanto das pessoas que os rodeiam, como pais e 
professores. "Estamos tentando resgatar o sentido da palavra 
diálogo" - enfatiza Yeda - "quando os dois falam, os dois ouvem 
sempre concordando um com o outro, nem sempre acatando. Nosso
20 objetivo maior talvez seja o resgate da interlocução, com direito, 
inclusive, a interrupções." 
Frutos de uma educação autoritária, os pais de hoje se queixam de 
estar vivendo a tão alardeada ditadura dos filhos. Contrapondo o 
autoritarismo, muitos enveredaram pelo caminho da liberdade
25 generalizada e essa tem sido a grande dúvida dos pais que 
procuram o "Ponto de Referência": proibir ou permitir? "O que 
propomos aqui" - afirma Margarete - "é a consciência da liberdade. 
Nem o vale-tudo e nem a proibição total. Tivemos acesso a centros 
semelhantes ao nosso na Espanha e em Portugal, onde o setor 
30 público funciona bem e dá muito apoio a esse tipo de trabalho
porque já descobriram a importância de uma adolescência vivida 
com um mínimo de equilíbrio. Já que o processo de passagem é 
inevitável, que ele seja feito com menos dor para todos os 
envolvidos."

MIRTES, Helena. In: Estado de Minas, 16 junho de 1996.

No texto, o argumento que comprova a ideia de ser a adolescência um período de passagem é

(A) adolescentes sofrem mudanças biológicas e mentais.
(B) filhos devem ter consciência do significado de liberdade.
(C) pais reclamam da ditadura de seus filhos.
(D) psicólogos tentam recuperar o valor do diálogo.

Análise
A resposta requer o conhecimento de tipos de argumentação (causa e efeito, exemplificação, notório saber, dados etc.). É importante saber identificar as estratégicas linguísticas utilizadas pelo autor para defender uma tese. Nesse caso, depara-se com um argumento de causa. A adolescência é um período de passagem porque adolescentes sofrem mudanças biológicas e mentais. Há uma relação causal entre o ponto de vista do autor e o argumento usado para sustentá-lo.

Orientações
Leia com a sala textos de opinião, identificando os tipos de argumento que aparecem. Faça todos observarem que expressões como "evidentemente", "é certo que", "obviamente" e "talvez" revelam como o autor se compromete com o que diz. Destaque ainda que "é indispensável" e "é necessário", por exemplo, indicam o caráter mais ou menos imperativo que envolve as proposições.

Identificar idéia principal do texto (Descritor 9)

Revista Veja, 28/07/1999.

A ideia principal do texto é

(A) o crescimento da área cultivada no Brasil.
(B) o crescimento populacional.
(C) o cultivo de grãos.
(D) o sucesso da agricultura moderna.

Análise
Para conseguir discernir sobre o que é principal e o que é secundário, o caminho é refletir sobre a estrutura e a organização do texto. É necessário perceber que todas as ideias apresentadas ali são decorrentes da principal: "o sucesso da agricultura moderna". O crescimento populacional e o aumento da área cultivada são consequências dela.

Orientações
Elabore com a turma esquemas, gráficos ou tabelas com o objetivo de ajudar na compreensão do que é ou não principal em um texto. Oriente-os a reconhecer os exemplos e as repetições usados pelos autores com o intuito apenas de reafirmar ideias importantes que já apareceram no texto.

Identificar o conflito gerador do enredo no texto (Descritor 10)

O boto e a Baía da Guanabara

  Piraiaguara sentiu um grande orgulho de ser carioca. Se o Atobá 
Maroto tinha dado nome para as ilhas, ele e todos os outros botos 
eram muito mais importantes. Eles eram o símbolo daquele lugar 
privilegiado: a cidade do Rio de Janeiro.
05  - A "mui leal e heroica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro". 
Piraiaguara fazia questão de lembrar do título, e também de toda a 
história da cidade e da Baía de Guanabara.
Os outros botos zombavam dele:
- Leal? Uma cidade que quase acabou conosco, que poluiu a baía?
10 Heroica? Uma cidade que expulsou as baleias, destruiu os mangues 
e quase não nos deixou sardinhas para comer? Olha aí para o fundo 
e vê quanto cano e lixo essa cidade jogou aqui dentro!
- Acorda do encantamento, Piraiaguara! O Rio de Janeiro e a Baía 
de Guanabara foram bonitos sim, mas isso foi há muito tempo. Não 
15 adianta  ficar suspirando pela beleza do Morro do Castelo, ou pelas 
praias e pela mata que desapareceram. Olha que, se continuar 
sonhando acordado, você vai acabar sendo atropelado por um navio!
O medo e a tristeza passavam por ele como um arrepio de dor.
Talvez nenhum outro boto sentisse tanto a violência da destruição da
20 Guanabara. Mas, certamente, ninguém conseguia enxergar tão bem 
as belezas daquele lugar.
Num instante, o arrepio passava, e a alegria brotava de novo em seu coração.

HETZEL, B. Piraiaguara. São Paulo: Ática, 2000, p. 16-20.

O fato que provoca a discussão entre as personagens é

(A) a escolha de nomes de botos para as ilhas.
(B) a história da cidade do Rio de Janeiro.
(C) o orgulho do boto pela cidade do Rio de Janeiro.
(D) os perigos do Rio de Janeiro para os botos.

Análise
Uma sequência de eventos contados por alguém e envolvendo personagens, em um determinado lugar e num determinado tempo, é o que forma a matéria literária das prosas narrativas. Nesse item, o objetivo é identificar o conflito gerador do enredo e os acontecimentos desencadeadores dos fatos da narrativa. No texto em questão, toda a discussão entre os botos ocorre porque eles não compreendem o orgulho de Piraiaguara pelo Rio de Janeiro. Esse é o conflito gerador do enredo. As ações dos personagens evoluem ou porque há causas que as determinam, ou porque elas vão se sucedendo no tempo.

Orientações
Na leitura de narrativas, recupere o enredo com a turma. É importante mostrar três momentos dos textos desse tipo: a apresentação do problema, o enfrentamento dele pelo personagem e a superação ou não dessa situação por ele.

Identificar causas/consequências no texto (Descritor 11)

Os outros botos zombavam de Piraiaguara porque ele

(A) conhecia muito bem a história do Rio de Janeiro.
(B) enxergava apenas o lado bonito do Rio de Janeiro.
(C) julgava os botos mais importantes do que os outros animais.
(D) sentia tristeza pela destruição da Baía da Guanabara.

Análise
Nesta pergunta, é preciso entender o motivo pelo qual "os outros botos zombavam de Piraiguara". Isso fica evidenciado pela conjunção causal "porque" - o conectivo mais comum para indicar as causas de algo proposto.

Orientações
Trabalhe com textos de opinião, elaborando com os estudantes esquemas, gráficos e tabelas para ajudá-los a compreender as relações entre as proposições do texto: causa e efeito, problema e solução etc.

Estabelecer relação lógico-discursiva no texto (Descritor 15)

Em "se continuar sonhando acordado, você vai acabar sendo atropelado por um navio!" (l. 16-17), o termo sublinhado estabelece, nesse trecho, relação de

(A) causa
(B) concessão
(C) condição
(D) tempo

Análise
Há palavras que marcam a relação entre duas ideias próximas, que dão coerência ao texto, sinalizando a progressão do conteúdo. O leitor precisa perceber essa relação lógico-discursiva, enfatizada por expressões que indicam tempo, lugar, comparação, causa, consequência etc. A conjunção se, no texto, indica circunstância de condição para que determinado fato se realize. O boto só vai ser atropelado caso continue sonhando.

Orientações
Um jeito de melhorar a competência ligada a esse descritor é propor exercícios de articulação das orações no período. Nessa situação, muitas vezes, é possível estabelecer relações lógico-discursivas unindo as mesmas orações com conjunções de diferentes significados. Assim, há a reflexão sobre
a relação entre as orações e os sentidos que podem ser construídos com cada conectivo.

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários

 

Publicado em Edição Especial Prova Brasil, Agosto 2009.
Assine já a sua revista!
Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.