Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Atividade Permanente

Coréia do Sul: das guerras ao crescimento econômico

Introdução 
A Guerra da Coréia e o crescimento econômico pelo qual a Coréia do Sul passou nas últimas décadas são temas que podem dar aos alunos uma boa noção da importância histórica da Guerra Fria e das conseqüências atuais desse período. Além disso, aspectos da filosofia de vida coreana permitem ampliar a visão dos alunos sobre os valores culturais desse povo.


De forma geral, ao analisar períodos históricos, espera-se que o aluno se torne capaz de relacioná-los e de estabelecer causas e conseqüências que os fatos históricos têm entre si;
Especificamente neste plano de aula, focado na questão coreana, espera-se que os alunos desenvolvam uma visão da pluralidade cultural asiática.

Ano
8º e 9º anos

Tempo estimado
Duas a três aulas

Recursos didáticos
- mapa-múndi (aqui, em pdf);
- revistas;
- guias turísticos
- artigos de jornais.

Desenvolvimento da atividade
Primeira aula
A Guerra Fria
Inicie a aula localizando as Coréias do Sul e do Norte no mapa-múndi. Faça comentários sobre a geografia montanhosa da região e sobre como os coreanos valorizam essa paisagem. No passado, vivendo em clãs, a população se isolava protegida por essas formações. No folclore coreano, o homem nunca compete com a natureza, mas se considera sempre parte dela. Existe na cultura do país um rígido respeito às hierarquias, tanto do homem com relação à natureza como nas relações interpessoais.

Apesar dessa harmonia, a história da península coreana é marcada por constantes conflitos, desde as disputas entre China e Japão pelo território até a atual tensão provocada pelas divergências entre Coréia do Sul e do Norte.

Para seguir o aquecimento do tema com o grupo, pergunte aos alunos o que sabem sobre a Guerra Fria. Se demostrarem ter noções básicas sobre o assunto, questione então por que a península coreana se transformaria em cenário de disputa de poder entre os blocos capitalista e socialista durante esse período histórico. Mostre à turma no mapa como a localização estratégica da região, banhada pelo Mar do Japão, fez daquele território um alvo de disputas entre China e Japão, no passado remoto, e entre Estados Unidos e União Soviética, séculos depois.

Caso a turma não tenha conhecimento suficiente sobre a Guerra Fria, explique que logo após o término da Segunda Guerra Mundial duas potências despontaram hegemônicas, os Estados Unidos e a antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Todo o globo terrestre - o oriente inclusive - ficou sob o domínio ou influência de um desses dois países.

Derrotado na Guerra, o Japão recebeu vultosos investimentos norte-americanos que possibilitaram sua reconstrução e seu reerguimento econômico. Esse aporte era necessário aos americanos para garantir no extremo oriente a presença de um país capitalista forte. Mesmo assim, o governo do presidente Henry Trumman, temendo o crescimento do socialismo na Ásia, aguardava a primeira oportunidade de intervenção militar na região.

Essa chance veio com os conflitos civis entre coreanos do norte e do sul. O país, até então sob domínio japonês, havia sido partido ao meio (exatamente na linha por onde passa o paralelo 38°) após a Conferência de Potsdam, em 1945, que definiu a geografia mundial do pós-guerra. Ao norte, os coreanos ficaram sob a influência soviética. Ao sul, sob a norte-americana. Com o tempo, cada metade passou a disputar a hegemonia sobre todo o território.

O conflito coreano é um dos símbolos da divisão de mundo característica da Guerra Fria. A região não foi a única a sofrer as conseqüências. O Muro de Berlim foi o ícone desse antagonismo, que determinou o surgimento das Europas Oriental e Ocidental. Com o passar dos anos e com a derrocada do socialismo, as divisões foram perdendo sentido. Nas Coréias, porém, a fronteira se mantém até os dias atuais.

A Guerra da Coréia
Feita a introdução sobre a Guerra Fria, trabalhe com os alunos os acontecimentos do conflito propriamente dito, que durou de 1950 a 1953. Ressalte o fato de que esse episódio não é tão comentado como o que se sucedeu no Vietnã, anos depois, mas que foi igualmente palco de inúmeras atrocidades. Na Guerra da Coréia, Estados Unidos e União Soviética iniciaram um tipo de estratégia que mais tarde se tornaria comum: as duas potências apoiando tropas de cada região, ocasionando um conflito indireto, no território de um terceiro país.

Há vários filmes que enfocam esse tema. Eles podem servir como fonte de pesquisa e ampliar o conhecimento dos alunos sobre o assunto.
O site www.orizamartins.com/cg-cinema-guerra-acao-avent.html possui uma lista de vários filmes que enfocam o tema guerra em épocas e locais diferentes.
Merece destaque Taegukgi (Brotherhood) (Coréia do Sul, 2004) que oferece um panorama da Guerra da Coréia do ponto de vista dos sul-coreanos.

Não há tantos registros sobre a Guerra da Coréia como existem sobre o Vietnã, cujas batalhas chegaram a ser transmitidas quase em tempo real, para todo o mundo. Se for possível, pesquise com os alunos o arquivo de jornais brasileiros da época (consulte o site desses periódicos) e mostre como as notícias dessa guerra eram veiculadas por aqui.
Como produto final dessa pesquisa, os alunos poderão criar um jornal impresso ou em vídeo apresentando o que aprenderam produzindo notícias sobre o assunto.

Segunda Aula
A influência do confucionismo
Localize com os alunos em um mapa-múndi as principais religiões do mundo. Comente à respeito da influência do confucionismo, predominante no passado, sobre a filosofia de vida atual do coreano. Nas idéias de Confúcio estão os pilares do budismo. Caso você perceba interesse da turma, proponha aos alunos que sigam adiante por esse tema, realizando uma pesquisa sobre religiões e seus fundamentos. Uma questão que pode motivar o trabalho é tentar descobrir se é possível associar as religiões à ocorrência das guerras.

O Confucionismo se fortaleceu na Coréia com a ascensão da dinastia Joseon em 1392 e deixou importantes marcas no modo de vida da população. Lembre à turma que o confucionismo se baseia no propósito ideológico do equilíbrio, da ponderação, da educação e do respeito aos mais velhos e aos antepassados.

Em um dos cinco escritos clássicos do confucionismo, o I Ching, Confúcio apresenta o equilíbrio dos opostos yin e yang, energias que seriam responsáveis por toda a harmonia da natureza. O símbolo desse conceito está no centro da bandeira sul coreana. Peça aos alunos que observem e façam uma análise desse e dos demais ícones presentes na bandeira. Além do yin e yang, há quatro hexagramas. Peça à turma que tentem interpretar esses ícones. Veja aqui como analisar hexagramas.

Hoje coexistem várias religiões na Coréia do Sul, mas foi graças aos ensinamentos do confucionismo que o povo coreano conseguiu se reerguer depois das invasões japonesas e, há 50 anos, depois da Guerra da Coréia, que deixou cerca de 5 milhões de mortos.

A reconstrução
Nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, e na Copa do Mundo de 2002 (a primeira disputada em dois países ao mesmo tempo, Japão e Coréia do Sul), a população de todo o planeta observou nas imagens internacionais os resultados do crescimento econômico sul coreano das últimas décadas. Esses eventos também trouxeram importantes recursos ao país, que ajudaram a consolidar esse crescimento. Desde 1964, em Tóquio, as Olimpíadas não eram realizadas na Ásia.

Do total de 47,7 milhões de habitantes do país, 9,8 milhões vivem na capital Seul (que em coreano se escreve Seoul e se pronuncia "sôo"). A industrialização rápida e a modernização urbana estão traduzidas na arquitetura da cidade. A paisagem de Seul pode ser comparada à das grandes metrópoles mundiais. Faça essa análise com os alunos mostrando a eles imagens de Seul, de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Nova York. Que diferenças e coincidências eles conseguem perceber? Observe como essas metrópoles do capitalismo possuem imagens semelhantes, com grandes edifícios modernos e tráfego intenso, associadas à concentração populacional. Mostre aos alunos como essa paisagem está relacionada ao modelo de mercado consumidor, uma das bases do capitalismo.

Avaliação
Finalmente, proponha ao alunos que pesquisem informações sobre a participação atual da Coréia do Sul na economia internacional e que montem um quadro coletivo apresentando os principais dados levantados. Esse quadro poderá resultar em um grande comparativo, se preenchido com dados de outros países que venham a ser estudados mais adiante. Avalie o resultado obtido.

Objetivos

Quer saber mais?

INTERNET
Dados enciclopédicos sobre a Coréia do Sul
Perfil da Coréia do Sul, contendo links para os sites dos principais meios de comunicação do país 

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.