Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Sequência Didática

COMPONENTES BIÓTICOS E ABIÓTICOS

Nessa sequência de trabalho, você vai ver como trabalhar os conceitos de componente biótico e abiótico, ensinando a turma a concluir o que é vida.

Objetivos
- Diferenciar componentes bióticos e abióticos.
- Caracterizar componentes bióticos.

Conteúdo
- Componentes bióticos e abióticos.

Anos
Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Tempo estimado
Um mês.

Material necessário
Sementes de feijão, 1 kg de terra para plantio, 2 recipientes fundos ou dois vasos pequenos, 1 fruta ou fatia de pão, 1 saco plástico transparente, ½ Kg de areia, ½ L de água e 2 copos com tampa ou filme plástico.
Desenvolvimento

1ª etapa
Comece solicitando aos alunos que façam duas listas: uma de seres vivos (componentes bióticos) e uma de seres não vivos (componentes abióticos). De modo geral, essas listas não devem apresentar grandes diferenças. Na lista referente aos seres vivos, é mais comum aparecer: "animais" e "plantas", por exemplo. Já a lista de seres não vivos pode incluir: "rochas"," vento" e "solo". "Solo" e "água" podem aparecer nas listas como componentes bióticos, pois os estudantes podem confundir esses ambientes , onde vivem seres vivos, com seres vivos. Pergunte o que levou a essa primeira categorização. É importante discutir coletivamente as hipóteses dos alunos, de modo que possam iniciar uma investigação sobre as características comuns a todos os seres vivos (capacidade de reprodução, evolução, manutenção de metabolismo - produção de energia na alimentação ou respiração) e quais características os distinguem dos componentes abióticos. Pergunte aos alunos quais características eles consideram importantes para identificar um ser vivo e solicite que registrem essa informação.

 
2ª etapa
Informe que a turma fará observações de diferentes seres vivos. Nesse momento, é importante plantar os feijões e informar aos alunos que eles vão observá-los por cerca de 10 dias. Para a germinação e desenvolvimento das sementes, coloque metade da terra no recipiente ou vaso e sobre essa camada de terra, coloque cerca de 5 feijões. Regue, sem encharcar. Repita o procedimento no segundo recipiente. A rega deve ser feita de acordo com o clima de cada região, mas é importante deixar a terra sempre úmida. Caso opte por utilizar a fruta para o experimento, prefira as suculentas, como pêra ou mamão. O pão pode ser o tipo "francês"/"de sal".
Volte à lista inicial feita pelos alunos e identifique os feijões como as plantas que eles mencionaram. Solicite que definam um animal para observar. Pode ser um ser humano, por exemplo, um filho/sobrinho/neto em crescimento, ou um animal de estimação que tenham em casa e que tenha crescido com eles. Caso essa observação não seja possível, solicite que pensem sobre o próprio crescimento, desde que nasceram. Direcione a observação dos alunos, com os seguintes questionamentos:
1) As plantas e animais se alimentam?
2) Do que as plantas se alimentam?
3) Do que os animais se alimentam?
4) Animais e plantas crescem?
5) Do que os animais e plantas precisam para se desenvolver?
6) Os animais e plantas podem gerar seres semelhantes a eles?

3ª etapa
Pergunte aos alunos o que eles acham da seguinte informação: há seres vivos que não conseguimos enxergar ao nosso redor. Nessa etapa, os alunos devem montar um experimento para verificar a existência de outros seres vivos, além das plantas e animais. O objetivo dessa investigação é perceber a presença de fungos. É possível que alguns alunos já os conheçam. Porém, é importante que essa atividade seja realizada para que todos esclareçam que não apenas os animais e as plantas são seres vivos.
Coloque a fatia de pão ou a fruta no saco plástico transparente e feche-o de modo que os alunos possam observar o que acontece no interior do saco plástico. O saco plástico deve ficar em um local que não recebe a luz solar diretamente. Questione os alunos sobre o que eles acham que pode acontecer no alimento após alguns dias? A resposta mais comum é: "estragar". Portanto, nesse caso, é importante perguntar: "o que é estragar?", "por que isso acontece?".
A observação deverá ter cerca de 2 semanas. Algumas vezes, é possível observar as colônias de fungos antes desse tempo. Os questionamentos relacionados aos animais e plantas também podem ser feitos nesse caso, para direcionar a observação (assim que os fungos ficarem visíveis a olho nu):
1) Que seres vivos são esses?
2) Do que os fungos se alimentam?
3) Fungos crescem?
4) Os fungos podem gerar seres semelhantes a eles?

4ª etapa
Nessa etapa, a investigação será sobre os fatores abióticos. Solicite que os alunos coloquem em um dos copos a areia e no outro copo a água e tampem ambos (é importante vedar bem, para que a água não evapore). Solicite que observem e respondam as mesmas questões feitas em relação aos animais e plantas anteriormente. Eles perceberão que não haverá mudanças nos copos. Eles também podem ser observados por cerca de 10 dias, para que o fator tempo não gere dúvida nos alunos - por exemplo, caso a observação fosse feita por apenas 1/ 2 dias, os alunos poderiam alegar que o tempo não foi suficiente para haver alguma alteração.
5ª etapa
A sistematização de todas essas informações é muito importante. Portanto, após as observações realizadas (componentes bióticos e abióticos), é importante retomar os questionamentos levantados, discuti-los com base nas informações obtidas e concluir que animais, plantas e fungos são componentes bióticos - crescem, se desenvolvem, produzem energia, podem gerar seres semelhantes a si próprios. Já a água e a areia são componentes abióticos - não crescem, não se alimentam, não geram descendentes, não sofreram alterações evolutivas ao longo do tempo. A leitura de textos sobre a fotossíntese e sobre os fungos disponíveis no livro didático pode facilitar a sistematização das informações.

Avaliação
Solicite aos alunos que voltem à lista inicial sobre componentes bióticos e abióticos e às hipóteses sobre as características dos seres vivos e façam as alterações necessárias, a partir das conclusões feitas durantes as investigações. Pode-se criar, coletivamente, por exemplo, cartões informativos, com exemplos dos seres bióticos e abióticos estudados e suas características.

Consultoria CAROLINA LUVIZOTO
Formadora de professores da Sangari Brasil, em São Paulo.

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.