Revista do mês
Nova Escola
Assine Nova Escola
publicidade
=== PÁGINA 1 ====
=== PÁGINA 2 ====
=== PÁGINA 3.1.1 ====
=== PÁGINA 3.1.2 ====
=== PÁGINA 3.1.3 ====
=== PÁGINA 3.1.4 ====
=== PÁGINA 3.2 ====
=== PÁGINA 4.1 ====
=== PÁGINA 4.2 ====

4. Quando ensinar

4.2 Interpretação de enunciados

Cada problema que você propõe para a turma tem um grau de complexidade que deve considerado no seu planejamento 

Nos primeiros anos, é essencial que o professor dê condições para que cada aluno amplie sua compreensão sobre o que os problemas pedem e consiga escolher o procedimento mais eficiente para a resolução. Uma atividade cujo objetivo é trabalhar a interpretação de enunciados não pode ser focada no tipo de operação, mas nas relações entre os números: se passam por alguma transformação negativa ou positiva, se são combinações de medidas, se é pedida uma comparação ou se combinam transformações sucessivas. E a discussão sobre essas relações e as operações nelas envolvidas é o que pode fazer com que a turma, com o tempo, consiga interpretar o que pede cada desafio. Trata-se de um trabalho progressivo e contínuo ao longo das séries iniciais. "A construção desses conhecimentos pelas crianças demora vários anos", aponta Claudia Broitman, professora de Didática da Matemática na Universidade Nacional de La Plata. 

A divisão em categorias de problemas propostas pelo psicólogo francês Gérard Vergnaud, descritos no item 3.2 Interpretações de enunciados, é uma ferramenta interessante para organizar as sequências didáticas e os planos de aula. Claudia ressalta que essa classificação não precisa ser comunicada às crianças. "é um instrumento de trabalho entre os professores para selecionar, comparar, analisar e propor diferentes problemas". Uma sugestão é começar a trabalhar um tipo de problema com números menores, depois, aplicar a regularidade com maiores. As crianças também podem apresentar dificuldades quando a incógnita não está no fim do problema. Nesse caso, é interessante colocar a incógnita no estado final da situação para depois trabalhar o mesmo problema a deslocando ao estado ao inicial. 

O que ensinar

3.2 Interpretação de enunciados

=== PÁGINA 5 ====
=== PÁGINA 5.1 ====
=== PÁGINA 5.2 ====
=== PÁGINA 5.3 ====
=== PÁGINA 5.4 ====
=== PÁGINA 6 ====
=== PÁGINA 7.1 ====
=== PÁGINA 7.2 ====
=== PÁGINA 7.3 ====
=== PÁGINA 7.4 ====
=== PÁGINA 8.1 ====
=== PÁGINA 8.2 ====
=== PÁGINA 8.3 ====
=== PÁGINA 8.4 ====
=== PÁGINA 8.5 ====
=== PÁGINA 9.1 ====
=== PÁGINA 9.2 ====
=== PÁGINA 9.3 ====
=== PÁGINA 10 ====

Gilberto Gil Silva Ribeiro - Postado em 02/09/2012 14:05:19

Olá amigos, precisamos compreender que nem a subtração e nem a divisão podem ser consideradas operações. Na verdade, temos apenas duas operações, a saber: adição e multiplicação. Qual a justificativa? A exisitência das propriedades de associabilidade e comutatibilidade, por exemplo. Portanto, não esqueçamos de considerar esses fatos e evitemos chamar de quatro operações. Um abraço!

Giscleide caline freitas clementino - Postado em 28/08/2012 21:26:34

Achei muito bom esse material.Tenhe me ajudado muito com a minha turma de 1º ano.Eles usam varias estrategias na resolução dos problemas.com novas informações o educador pode fazer as intervenções para a turma avançar.E sempre bom contar com a nova escola nessa missão de educar.Obrigada!

Rossandra Botelho dos Santos - Postado em 19/08/2012 19:08:01

Gostei muito desse material e estou aqui estudando o assunto para ajudar minha filha, que está no 3º ano e está com dificuldades na interpretação dos problemas. E achei muito interessante a teoria de Vernaug (que não conhecia) a respeito do campo aditivo. Vou a partir de agora estar mais atenta às informações que os problemas trazem para ajudá-la a resolver e que ela possa ter êxito ao final do ano, como rege os PCN's. Obrigada NOVA ESCOLA!

Assine já a sua revista!
Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.