Revista do mês
Nova Escola
Assine Nova Escola
publicidade

Sustentabilidade: você faz, o planeta sente

Para garantir o bem-estar da humanidade, são necessárias novas maneiras de pensar e de agir. Dar o primeiro passo é essencial para que o mundo seja mais justo e o meio ambiente equilibrado. Você e a escola têm tudo a ver com isso

Beatriz Santomauro

Página de > >|
=== PARTE 1 ====
Você faz, o planeta sente. Ilustração Alessandra Kalko. Foto Aldré Spinola e Castro

O termo sustentabilidade tem se tornado cada vez mais popular, especialmente no mundo dos negócios. Você já viu anúncios em que empresas alardeiam medidas nesse campo procurando ser vistas como instituições preocupadas com nosso planeta, não é mesmo? Mas a questão é bem mais abrangente - e tem tudo a ver com você e com a Educação. Um dos preceitos básicos da sustentabilidade é a relação entre as coisas. As ações de cada um repercutem na família e, em cadeia, na escola, no bairro, na cidade, no país e no mundo. Não se deve ver isso como um peso nas mãos de cada indivíduo e nem uma responsabilidade do governo e de grandes corporações, mas considerar que cada um de nós é participante de um sistema e deve fazer o que estiver ao seu alcance para o equilíbrio dele. Como diz o físico austríaco Fritjof Capra, autor do livro O Ponto de Mutação (Ed. Cultrix, 432 págs., 52 reais) e fundador do Centro de Ecoalfabetização, nos Estados Unidos: "A sustentabilidade não é uma propriedade individual, mas de uma teia completa de relacionamentos".

O termo começou a tomar forma em 1972, quando o economista polonês naturalizado francês Ignacy Sachs falou em ecodesenvolvimento. Já na década de 1980, o norte-americano Lester Brown, presidente do Worldwatch Institute (WWI), defendeu a importância de satisfazer às próprias necessidades sem reduzir as oportunidades das novas gerações. O tema ganhou maior repercussão, contudo, na Rio 92, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, realizada no Rio de Janeiro.

Na época, vários segmentos da sociedade se pronunciaram a favor da ideia e pensavam em uma nova maneira de conduzir o desenvolvimento das nações, não só com o objetivo de melhorar o desempenho econômico mas também considerando que o planeta tem recursos naturais finitos. Para eles, qualquer atividade, seja de uma instituição, seja de uma pessoa, deveria respeitar três pilares: ser economicamente viável, socialmente justa e ambientalmente correta.

Entrevista: Rachel Trajber fala sobre o nosso papel para a sustentabilidade

Especial: Tudo sobre meio ambiente


Hoje, os especialistas indicam que não há um modelo único de desenvolvimento, mas que outros aspectos devem ser levados em conta, como o respeito às diversidades culturais, as políticas de longo prazo e a ética. Outro item pode ser acrescentado à lista: a mudança de atitude. "O redimensionamento dos princípios ou valores humanos é essencial para que mais pessoas vivam num ambiente harmônico e respeitoso", diz Andrée de Ridder Vieira, coordenadora geral do Instituto Supereco, em São Paulo.

As cinco escolas apresentadas nesta reportagem exemplificam bem essa diversidade ao implementar iniciativas relacionadas ao cuidado com crianças de creche e pré-escola, à resolução de conflitos, ao uso negociado do espaço, ao combate ao desperdício de merenda e à redução no valor da conta de energia elétrica. Embora elas tenham surgido em resposta a demandas específicas, os projetos resultaram em mudanças de atitude, com reflexos nos campos econômico e social, entre outros.

Professores e gestores tiveram a sensibilidade de observar a realidade, refletir sobre o que não estava funcionando bem e buscar uma solução - movimento que não termina nunca. Por isso, não basta organizar a coleta seletiva do lixo. É preciso pensar na relação entre as pessoas, compartilhar oportunidades de conhecimento e, sim, discutir sobre o cuidado com o lixo e sobre tudo o que está ao redor.

Em sala, o tema deve ser tratado de maneira transversal e relacionado aos conteúdos. E, para ser coerente, a escola deve dar o exemplo. "Se o ambiente é agradável e respeitoso, os alunos levam para casa e para a vida essa mesma exigência na maneira de ser", diz Sueli Furlan, selecionadora do Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10 e docente do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP).

Especialistas do mundo inteiro estarão no Rio de Janeiro em junho para discutir o assunto durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Novos olhares para esse emaranhado de relações podem surgir. "A sociedade, apoiada na ideia do desenvolvimento econômico, precisa ser desconstruída para ser transformada. Embora se pense na questão há mais de 40 anos, pouco se alterou na vida prática. Temos urgência de mudanças e, com a participação de todos, é mais fácil isso virar realidade", afirma a especialista em Educação Ambiental Rachel Trajber, responsável pelo setor de Educação do Instituto Marina Silva, em Brasília.

=== PARTE 2 ====
=== PARTE 3 ====
=== PARTE 4 ====
=== PARTE 5 ====
=== PARTE 6 ====

Página de > >|

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

 

Publicado em NOVA ESCOLA Edição 252, Maio 2012. Título original: Você faz, o planeta sente
Comentários

 

 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais
Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.