Revista do mês
Nova Escola
Assine Nova Escola
publicidade

Ponto de chegada: a definição do currículo

Conhecer o que os alunos precisam saber (as chamadas expectativas de aprendizagem) facilita o alinhamento das atividades para o ano

Daniela Almeida

Especial Planejamento 2015

O bom planejamento envolve toda a rede municipal ou estadual (na definição de objetivos comuns), a comunidade escolar (na definição das metas de cada instituição específica) e, claro, os professores (na definição de como os conteúdos serão trabalhados em sala de aula). Nesse momento, é fundamental ter em mente aonde se quer chegar - ou seja, explicitar as chamadas expectativas de aprendizagem para poder pensar nas melhores formas de trabalhar cada um dos conteúdos (leia nos quadros que acompanham esta reportagem um resumo do que se espera que os alunos saibam ao fim dos cinco primeiros anos, em Língua Portuguesa e Matemática, com base em documentos das secretarias de Educação do estado e do município de São Paulo).

Infelizmente, ainda há poucas redes e escolas trabalhando com expectativas bem definidas. Mas é importante saber que elas nada mais são que a descrição dos conteúdos e das habilidades essenciais a desenvolver em cada disciplina. Além disso, devem mostrar como o domínio de cada conteúdo avança ao longo da escolaridade. Se no 1º ano o aluno precisa saber produzir um texto ditando-o ao professor, as metas para o ano seguinte devem prever qual o próximo passo desse aprendizado (produzir, por conta própria, re-escritas de histórias conhecidas, por exemplo). Em Matemática, as crianças começam a ter contato com tabelas simples no 1º ano - para poder chegar ao 5º interpretando dados de representações com dupla entrada. E assim por diante, em cada disciplina.

Na vida real, essa primeira etapa da definição de conteúdos se dá antes mesmo do início das aulas, quando são identificados os grandes temas a ensinar. Se você vai lecionar para a mesma série que no ano anterior, uma boa estratégia é olhar para trás e observar o que funcionou - e quais objetivos não puderam ser alcançados. Com base nos registros (anotações no caderno, avaliações dos alunos etc.), é preciso avaliar: os conteúdos foram absorvidos pela turma? Consegui cumprir as metas? O que vou fazer diferente para que todas as crianças efetivamente aprendam o que é necessário?

Depois da fase inicial de avaliação diagnóstica, o próximo passo é colocar as novas metas no papel. O que realmente importa é que esse material seja consultado e reavaliado por várias vezes ao longo do ano. O modelo mais tradicional é montar uma lista de conteúdos. Mas você pode construir uma tabela, com colunas dedicadas ao conteúdo, às estratégias de ensino, às ferramentas utilizadas (tipo de material didático) e aos objetivos a serem alcançados.

"Infelizmente, esse exercício é muito menos comum do que deveria em nossas escolas", reforça Marta Nornberg, do curso de Pedagogia do Centro Universitário La Salle, em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre. "Ainda somos, enquanto professores, profissionais que pouco registram o que projetam realizar. Daí a necessidade de articular uma construção definindo o que se quer (aonde chegar), como fazer isso, o conjunto de estratégias de ensino, por quanto tempo usar cada uma delas e com que profundidade trabalhar os conteúdos" (leia aqui uma reportagem sobre as formas de organizar as aulas).

Marta sugere destrinchar os conteúdos numa grade semanal, variando tanto as atividades de sala de aula como os tipos de lição de casa. Outra sugestão da especialista é fazer com que a tarefa puxe o assunto do dia seguinte de forma a amarrar a continuidade do planejamento. "Cada professor deveria cultivar um diário", afirma Marta. "Ao fim da aula, é enriquecedor o processo de registrar o que foi vivido em sala. E o ideal é relatar em detalhes o desenvolvimento das tarefas, a participação dos alunos, suas próprias reações etc. Só assim é possível ref letir sobre o que foi feito."

À primeira vista, a tarefa pode parecer simples, mas definir os conteúdos curriculares com base nas expectativas de aprendizagem para o ano letivo exige respeitar a sequência dos objetos de ensino. Além disso, é fundamental dominar as didáticas desses conteúdos para conhecer o percurso da turma e, sobretudo, conseguir avaliar os problemas pelos quais os alunos estão passando. Só assim é possível propor exercícios e planos de aula que façam todos avançarem.

Tudo isso sem deixar de lado as características próprias das crianças. "Não podemos esquecer que cada uma é um sujeito, com origem social, cultural e histórica peculiar. Por isso, é bom levantar o máximo de informações sobre a turma antes de dar início ao processo", afirma Marta Marandino, professora de Metodologia do Ensino da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Todo ano, a professora Andrea Maciel usa os primeiros dias de aula para fazer um diagnóstico da turma de 4º ano na EMEF João Belchior Marques Goulart, em São Leopoldo, na Grande Porto Alegre. "As atividades servem para descobrir a partir de que ponto devo continuar desenvolvendo os conteúdos. Uso essa informação para montar o planejamento, levando em consideração as metas preestabelecidas." Conversar com os colegas para conhecer melhor os alunos é outra iniciativa positiva. "Aqui, na escola, temos um combinado: se alguém percebe que algo não progride, buscamos apoio nos outros professores e na coordenação. Às vezes, eu estou fazendo coisas que são óbvias para mim, mas para os estudantes não. E só alguém de fora consegue identificar essa falha no processo de ensino." Esse espaço para a realização do planejamento coletivo, por disciplina ou por série, está se tornando cada vez mais comum em escolas, pois proporciona a troca de experiências e aumenta o repertório de boas práticas: quais estratégias de ensino funcionaram para tal conteúdo?

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM LÍNGUA PORTUGUESA

1º ano

  • Fazer intercâmbio oral, ouvindo com atenção e formulando perguntas.
  • Ouvir com atenção textos lidos.
  • Ler textos conhecidos, como parlendas, adivinhas e canções.
  • Conhecer e recontar repertório variado de textos literários.
  • Escrever texto de memória de acordo com sua hipótese de escrita.
  • Escrever o próprio nome e utilizá-lo como referência para a escrita.
  • Conhecer as representações das letras maiúsculas do alfabeto de imprensa.
  • Localizar palavras em textos.
  • Escrever usando a hipótese silábica, com ou sem valor sonoro convencional.
  • Re-escrever ditando textos conhecidos.
  • Revisar textos coletivamente, apoiado em leitura em voz alta feita pelo professor. 

2º ano

  • Participar de intercâmbio oral, ouvindo, perguntando e planejando a fala para diferentes interlocutores.
  • Recontar histórias conhecidas, recuperando características da linguagem do texto original.
  • Apreciar textos literários.
  • Ler, com ajuda, diferentes gêneros.
  • Ler, por si mesmo, textos conhecidos.
  • Entender o sistema alfabético, mesmo escrevendo com erros ortográficos.
  • Escrever alfabeticamente textos que conhece de memória.
  • Re-escrever histórias conhecidas, ditando-as ou de próprio punho. Produzir textos simples de autoria.

3º ano

  • Participar de situações de intercâmbio oral, ouvindo com atenção, formulando e respondendo a perguntas, explicar e compreender explicações, manifestar opiniões sobre o assunto tratado.
  • Apreciar e ler textos literários.
  • Ler, com ajuda, textos para estudar (textos de sites, revistas etc.).
  • Re-escrever de próprio punho histórias conhecidas, considerando as características da linguagem escrita.
  • Produzir textos de autoria utilizando os recursos da linguagem escrita.
  • Revisar textos coletivamente com a ajuda do professor ou em parceria com colegas.

4º ano

  • Participar de situações de intercâmbio oral que requeiram ouvir com atenção, intervir sem sair do assunto tratado, formular e responder perguntas justificando respostas, explicar e compreender explicações, manifestar e acolher opiniões, fazer colocações considerando as anteriores.
  • Apreciar textos literários.
  • Selecionar, em parceria, textos em diferentes fontes para a busca de informações.
  • Localizar, em parceria, informações nos textos, apoiando-se em títulos e subtítulos, imagens e negritos, e selecionar as que são relevantes.
  • Ajustar a leitura ao propósito e ao gênero.
  • Re-escrever e/ou produzir textos de autoria com apoio do professor.
  • Revisar textos coletivamente com a ajuda do professor, prestando atenção nos aspectos de coerência, coesão e ortografia.

5º ano

  • Participar de situações de intercâmbio oral que requeiram ouvir com atenção, intervir sem sair do assunto, formular e responder a perguntas justificando respostas, explicar e compreender explicações, manifestar e acolher opiniões, argumentar e contra-argumentar.
  • Participar de situações de uso da linguagem oral utilizando procedimentos da escrita para organizar a exposição.
  • Apreciar textos literários.
  • Selecionar textos de acordo com os propósitos de leitura, antecipando a natureza do conteúdo e utilizando a modalidade de leitura mais adequada.
  • Utilizar recursos para compreender ou superar dificuldades de compreensão durante a leitura.
  • Re-escrever e produzir textos utilizando procedimentos de escritor.
  • Revisar textos, próprios e dos outros, em parceria com colegas, com intenção de evitar repetições, ambiguidades e erros ortográficos e gramaticais.

 

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA


1º ano

  • Ampliar o conhecimento dos números e contar oral e mentalmente objetos.
  • Usar estratégias pessoais para resolver problemas com as quatro operações. 
  • Indicar o número certo quando houver poucos objetos.
  • Ler mapas e plantas baixas simples.
  • Identificar e representar semelhanças e diferenças entre formas geométricas.
  • Montar e desmontar embalagens tridimensionais.
  • Usar o calendário.
  • Comparar, identificar e estimar grandezas (comprimento, massa, temperatura e capacidade) e iniciar o uso de instrumentos de medidas.
  • Começar a usar e a fazer tabelas simples.

2º ano

  • Realizar contagem oral.
  • Saber regras do sistema numérico.
  • Ler e produzir escritas numéricas.
  • Ampliar o uso de estratégias pessoais nas quatro operações.
  • Saber resultados de memória.
  • Usar diversas estratégias de cálculo.
  • Localizar-se em espaços menos conhecidos e mais amplos.
  • Identificar e representar diferentes formas geométricas.
  • Realizar organização temporal com uso do calendário.
  • Utilizar sistemas de medidas convencionais.
  • Ampliar o conhecimento de grandezas e o uso de instrumentos de medidas.
  • Fazer tabelas e gráficos de colunas.

3º ano

  • Utilizar o sistema numérico em sua forma convencional.
  • Articular melhor os números em estratégias de cálculo mental.
  • Usar técnicas convencionais de adição e subtração.
  • Começar a sistematizar algoritmos (conta armada).
  • Ampliação do uso das operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
  • Interpretar representações do espaço.
  • Aprimorar o uso da linguagem específica para figuras e formas.
  • Saber ver as horas.
  • Utilizar o sistema métrico (convencional ou não) com mais precisão.
  • Aprimorar o uso de tabelas simples e usar gráficos com colunas e barras.

4º ano

  • Realizar contagens crescentes e decrescentes com números naturais.
  • Realizar cálculos aproximados.
  • Reconhecer, usar, comparar e ordenar números racionais.
  • Explorar os significados das frações.
  • Saber resultados de contas de multiplicação de memória.
  • Fazer operações de números naturais com estratégias pessoais e operações convencionais.
  • Identificar posição e movimentação em malha quadriculada.
  • Reconhecer semelhanças e diferenças entre figuras geométricas.
  • Reconhecer planificações e identificar formas planas de figura tridimensional.
  • Compreender e calcular o perímetro.
  • Reconhecer e usar unidades de medida.
  • Utilizar o sistema monetário brasileiro.
  • Interpretar dados de tabelas simples e de dupla entrada e de gráficos de colunas, barras e linhas.

5º ano

  • Compreender e usar as regras do sistema de numeração decimal para leitura, escrita, comparação e ordenação de números naturais.
  • Explorar diferentes significados das frações.
  • Escrever, ler, comparar e ordenar números racionais.
  • Resolver problemas nas quatro operações, usando estratégias pessoais, convencionais e cálculo mental.
  • Usar porcentagens.
  • Explorar a idéia de probabilidade.
  • Descrever, interpretar e representar a localização e a movimentação de uma pessoa ou um objeto.
  • Reconhecer poliedros e identificar relações entre faces, vértices e arestas.
  • Utilizar unidades comuns de medida em situações problema.
  • Calcular perímetros e áreas.
  • Usar unidades de medidas de área.
  • Interpretar e construir tabelas simples, de dupla entrada, gráficos de colunas, barras, linhas e de setor.
 

Quer saber mais?

BIBLIOGRAFIA
Planejamento Sim e Não: Um Modo de Agir num Mundo em Permanente Mudança, Francisco Whitaker, 158 págs., Ed. Paz e Terra, tel. (11) 3337-8399, 31 reais

CONTATOS
EMEF João Belchior Marques Goulart, R. João Luis Puffal, 100, 91120-570, São Leopoldo, RS, tel. (51) 3568-4050
Marta Marandino
Marta Nornberg

INTERNET
A Organização do Tempo Pedagógico e o Planejamento, fascículo 3 da coleção Pró-Letramento, do Ministério da Educação.

 

 

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

 

Publicado em Edição Esepcial sobre Planejamento, Janeiro 2009.
Comentários

 

Assine já a sua revista!
Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.