Assine Nova Escola
Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Projeto

Vazamento de petróleo no Golfo do México

Planeta Sustentável

Conteúdo relacionado

Este plano de aula está ligado à seguinte reportagem de VEJA:

Objetivos
Entender as medidas usadas para conter um vazamento de óleo no mar e as consequências delas ao meio ambiente;
Compreender o processo de combustão completa e incompleta;
Entender o que são líquidos miscíveis e imiscíveis e como é a ação dos dispersantes.

Conteúdos
Conceito de mistura;
Combustão completa e incompleta.

Tempo estimado
Três aulas

Material necessário
Óleo de cozinha, água, copo, garfo

Introdução
As páginas amarelas de VEJA trazem uma entrevista com Robert Dudley, CEO da British Petroleum, sobre as estratégias usadas para conter ou minimizar os impactos do vazamento de petróleo ocorrido no Golfo do México em abril de 2010. Aproveite o texto em uma aula de Química.

Desenvolvimento

1ª aula
Proponha que os alunos leiam a entrevista de Robert Dudley, CEO da British Petroleum, às páginas amarelas de VEJA. Explique à classe que o vazamento é considerado o pior desastre ambiental da história americana. Ele começou com uma explosão na plataforma, seguida de seu afundamento e da dispersão do combustível por quilômetros.

Peça que os estudantes façam um levantamento das técnicas utilizadas na tentativa de conter o vazamento e retirar das águas superficiais e profundas o material que já havia vazado.

A classe vai descobrir que a primeira medida tomada foi a queima do combustível que subiu à superfície. Pergunte aos alunos porque o petróleo volta à superfície e não se mistura com a água, mesmo diante da agitação das ondas. Dê um tempo para que apresentem suas ideias. Conclua com eles que a diferença de densidade faz com que a água com sais dissolvidos e petróleo não se misturem - sejam imiscíveis. E, por o petróleo ter menor densidade, ele fica sobre a água.

Essa informação foi usada pelos técnicos para optar pela combustão como primeira estratégia para combater o vazamento. Utilizando barreiras flutuantes, eles reuniram o óleo e atearam fogo.

Aproveite para pedir que a garotada explique o que é uma reação química de combustão e quais os reagentes e produtos envolvidos nesse processo. A turma deve responder que trata-se de um fenômeno que ocorre entre um combustível, no caso o petróleo, e um reagente - no caso, o gás oxigênio presente no ar. Para o início da reação, é necessária uma faísca.

Questione a classe, então, sobre as consequências da medida:
- Que gases são liberados no processo de combustão?
- Por que é possível queimar o óleo que está no mar?
- Por que a fumaça liberada nessa combustão é preta?

Mostre à turma que o procedimento resulta em resíduos tóxicos despejados no mar e na atmosfera. Se possível, ilustre a aula com imagens e vídeos que demonstrem a fumaça gerada pela combustão do petróleo. As referências podem ser encontradas na internet.

2ª aula
Retome as discussões da aula anterior e realize equações químicas para explicar a combustão completa e incompleta de diferentes combustíveis. Mostre à classe que a queima de álcool gera uma chama azul, com fumaça formada de gás carbônico e vapores de água. A queima de gasolina gera uma chama alaranjada e libera, além do gás carbônico, monóxido de carbono, carbono sólido e vapor de água.

Pergunte aos alunos qual das combustões mencionadas é menos agressiva ao meio ambiente. Eles devem responder que é a queima do álcool. Faça as equações químicas no quadro e realize o balanceamento. Explique que uma combustão é completa quando todos os carbonos do combustível conseguem ser transformados em gás carbônico. No caso da gasolina, isso não ocorre e se forma gás tóxico (monóxido de carbono) e carbono sólido (fuligem) - é a chamada combustão incompleta.

Conclua com a classe que o primeiro procedimento usado para conter o vazamento de petróleo no Golfo do México, portanto, contribuiu e muito para a contaminação ambiental.

3ª aula
Coloque em discussão em classe as outras medidas tomadas para minimizar os impactos do vazamento da British Petroleum. Conte aos alunos que, na tentativa de evitar que o óleo viesse à superfície, foram derramados no local litros de um tipo de dispersante cuja fórmula não foi revelada, apenas seu nome: Corexit.

Sabe-se que o dispersante é uma mistura de cinco ou seis produtos químicos com a função de desintegrar as manchas de óleo em minúsculas partículas. O óleo, no entanto, não é retirado, ficando apenas mais espalhado pelo mar e é impedido de subir à superfície. A medida evita a formação de manchas negras na superfície da água, que grudem nas penas de algumas espécies de aves e na pele de animais mamíferos. Ela evita, também, a contaminação da costa marítima.

Questione a classe sobre as consequências da medida. Dê um tempo para que os alunos discutam. Em seguida, conclua com eles que a correnteza no fundo do mar leva as gotículas de óleo para outras partes, diminuindo os riscos de acidentes, mas as plantas e a vida animal no fundo do mar continuam correndo grandes riscos de contaminação e até mesmo de extinção. A ação pode trazer, também, prejuízos ao homem - se o óleo chegar a uma área de pesca, por exemplo, irá contaminar os peixes, podendo causar vômitos, dores de cabeça e enjôos em quem ingeri-los.

Pergunte à turma, então, como os dispersantes agem no óleo. Relembre que um líquido pode ser imiscível a outro - não se misturar. Essa propriedade, no entanto, pode ser alterada após grande agitação ou na presença de um dispersante. Nesse processo, um dos líquidos fica como se fosse englobado no outro em pequenas partículas. A essas partículas menores damos o nome de emulsão e esse processo tem amplo uso industrial -a fabricação de cremes é um exemplo.

Para que a turma entenda o processo, proponha uma atividade prática. Peça que coloquem pequena quantidade de óleo de cozinha em um copo, aproximadamente 10 mL. Acrescente ao óleo 10 mL de água e deixe repousar por um minuto. Observe com a classe que o óleo sobe à superfície e se separa da água. Explique que temos, então, uma mistura heterogênea de duas fases: óleo e água.

Comece a agitar a mistura com um garfo pequeno e vá mostrando à classe que, quanto mais agitada for a mistura, menores vão ficando as gotículas de óleo. Se a agitação for mantida, as gotículas se tornam tão pequenas que a mistura passa a adquirir aspecto cremoso e esbranquiçado.

Explique à classe que essa é a emulsão. Diga aos alunos que a adição de um dispersante facilita o processo - que passa a ser praticamente instantânea.

Avaliação

Ao longo das três aulas, certifique-se que a turma entendeu as duas medidas usadas para conter os impactos do vazamento da British Petroleum e os danos delas ao meio ambiente. Observe, também, se a classe entendeu o conceito de mistura e a ação dos dispersantes.

Quer saber mais?

Para mais informações sobre dispersantes, acesse
http://www.agracadaquimica.com.br/quimica/arealegal/outros/125.pdf

 

Consultoria Elisabete Rosa
professora e coordenadora de Química Prática do Colégio Bandeirantes, em São Paulo.

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas impressas!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.