Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Plano de Aula

Utopia X Realidade

VEJA na Sala de Aula

Conteúdo relacionado

Este plano de aula está ligado à seguinte reportagem de VEJA:

Objetivo
- Apresentar a noção de utopia e suas formas modernas.

Conteúdo
- A noção de utopia na obra de Tomas Morus.
- O ideal de uma sociedade planejada e suas consequências para as sociedades modernas.

Material necessário
Cópia da entrevista “Baderneiros e mimados”, com o filósofo inglês Roger Scruton (Veja, Ed. 2235, 21 de setembro de 2011) para todos os alunos.

Tempo estimado
Duas aulas

Introdução

O termo utopia é de uso comum em nosso dia a dia, mas nem todos que o empregam sabem qual sua origem e o que realmente está implícito nele. Na entrevista “Baderneiros e mimados”, de Veja, o filósofo inglês Roger Scruton apresenta uma forte crítica às noções modernas de utopia, que para ele não são ideias de fato, mas substitutas de ideias que proporcionam alívio diante da tarefa de ver o mundo como ele realmente é. Veremos a seguir como surge a noção de utopia e seus desdobramentos ao longo do tempo. Utilize o texto da entrevista e confronte-o com o conteúdo apresentado em aula para discutir esta noção com a turma.

Desenvolvimento

1ª aula
Comece escrevendo na lousa a palavra UTOPIA. Peça aos alunos para que reflitam por um instante sobre o que eles entendem pelo termo, e para que escrevam uma resposta para a pergunta “O que é utopia?” em seus cadernos. As respostas devem ser curtas e objetivas. Em seguida, solicite que alguns leiam aquilo que escreveram.

Com base nas respostas dos alunos, conte a eles que a palavra utopia foi criada pelo filósofo inglês Tomás Morus, serviu de título a seu mais famoso livro e significa, literalmente, “não-lugar”. Exponha para a classe que, para nós, o termo “utópico” possui basicamente dois sentidos: algo inviável; e algo que seria ideal. De tal forma que, quando atribuímos a algo o adjetivo utópico, queremos dizer que esse algo seria bom, mas é inviável, o que apresenta um aspecto positivo do ponto de vista do valor, mas negativo do ponto de vista de sua realização prática. Compare isso com as respostas oferecidas pelos alunos, mostrando em que pontos as respostas oferecidas estão em conformidade ou em dissonância com essas noções.

Explique que utopia também tem o sentido de uma espécie de “engenharia social”, ou seja o termo remete a uma teoria forte sobre a sociedade a partir da qual se tenta mudar a própria sociedade. Conte à turma que Morus apresenta em seu livro Utopia uma concepção muito nova da sociedade, com a ideia de um planejamento e de justiça social. A sociedade descrita por Morus é organizada racionalmente (ressalte que as ideias de Tomas Morus tiveram grande influência sobre o urbanismo, por pensar uma cidade planejada), é uma sociedade sem propriedade privada dos bens, que não participa de guerras, exceto em casos extremos, na qual todos os cidadãos residem em casas iguais. Todos os seus cidadãos trabalham no campo e dedicam o tempo livre às artes e à literatura.

Mostre aos alunos que essa organização da sociedade visa um tipo de justiça, que preza pela igualdade entre os cidadãos, valorizando a coletividade em detrimento da individualidade. Explique à turma como esses ideais são predecessores de ideais modernos de transformação da sociedade, como o marxismo, que também tem como projeto uma sociedade justa, igualitária e sem propriedade privada. Lembre os estudantes de que, por ser Utopia uma sociedade sem desigualdades sociais, nela a justiça e o poder políticos são exercidos para manter essa ordem igualitária.

Distribua as cópias da entrevista publicada em Veja e peça aos alunos a leiam em casa. Solicite, também, que comparem a concepção Morus sobre a utopia apresentada em aula com as ideias expostas na entrevista. As reflexões devem ser trazidas por escrito para discussão na próxima aula.

2ª aula

Comece esta aula retomando os principais conceitos apresentados na aula anterior. Retome também a atividade proposta como lição de casa para aos alunos. Peça que eles exponham o que escreveram e promova um debate com base nos resultados obtidos. Mostre a eles que a noção de utopia se desenvolveu em sentidos mais específicos e exponha a eles alguns dos novos sentidos que o termo adquiriu ao longo dos anos.

A utopia ecológica, por exemplo, procura uma reconciliação do homem com a natureza. Trata-se de uma forma de vida em que a sociedade e o meio ambiente convivem em perfeita harmonia, por meio de prática sustentáveis e ecologicamente adequadas, que têm por finalidade a preservação da natureza. Mostre também que essas utopias ecológicas pretendem-se como inspiração e fonte para novas políticas ambientais.

Em seguida, apresente aos alunos aspectos da utopia econômica, que surgiu no século 19 em meio ao desenvolvimento do capitalismo. Esse conceito propõe uma distribuição de riquezas igualitária entre os membros da sociedade. As utopias econômicas (como o chamado “socialismo utópico”) consideravam o comercialismo e o capitalismo como fontes dos problemas sociais, e muitas vezes pregavam a abolição do dinheiro na sociedade.

Retome em aula as críticas apresentadas pelo inglês Roger Scruton à noção de utopia, explicitadas na entrevista a Veja. Explique que para esse autor, a utopia é uma fuga da crítica real e efetiva da sociedade. Comente a postura do filófoso inglês em relação ao ambientalismo utópico como forma de solucionar problemas ambientais por meio de grandes ações que não levam em consideração a viabilidade e a sustentação econômica desses projetos.

Exponha que, para Scruton, o multiculturalismo também possui aspectos utópicos, ao propor uma convivência harmônica entre diferentes culturas – o que para ele é irrealizável. Compare as noções propostas pelo filósofo inglês com o sentido de crítica à sociedade que as noções anteriormente expostas de utopia (como a de Morus) sustentam, pois ao propor a construção de uma nova sociedade, essas concepções apontam os problemas e propõem soluções (mesmo que inviáveis).

Peça aos alunos para que reelaborem suas respostas feitas em casa, agora em forma de uma dissertação mais desenvolvida. Oriente-os a incluir no texto seus pontos de vista e a tomarem posição com relação à oposição entre diferentes noções de utopia e a crítica apresentada por Roger Scruton.

Avaliação

Considere a participação dos alunos nos debates em sala de aula, e analise as dissertações por eles elaboradas. Ao ler os textos, observe o quanto os alunos aprenderam sobre o sentido de planejamento, igualdade e justiça relacionados à noção de utopia, o seu conteúdo de crítica à sociedade, a crítica às limitações das utopias apresentadas, e como eles as relacionam com seus próprios pontos de vista.

Consultoria Igor Silva Alves
Mestre em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP).

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
Compartilhe
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.