Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Plano de Aula

Efeitos sociais da comunicação na era das redes sociais

Planeta Sustentável

Conteúdo relacionado

Este plano de aula está ligado à seguinte reportagem de VEJA:

Conteúdo
As transformações sociais do processo de comunicação

Objetivos
Identificar os efeitos sociais das transformações ocorridas no processo de comunicação

Tempo estimado
Duas aulas

Introdução
As novas redes sociais, como o Facebook, o Twitter e o Orkut introduzem grandes novidades no processo de comunicação e na produção cultural. Glorificadas por alguns estudiosos e combatidas por outros, elas mobilizam um enorme universo de usuários em todo o mundo. Com base na reportagem publicada em VEJA e neste plano de aula, reflita com seus alunos sobre os efeitos sociais e políticos de tais redes.

Desenvolvimento

1ª aula

Comece com uma aula expositiva e apresente uma contextualização histórica das mudanças na comunicação, ocorridas desde o aparecimento do capitalismo até os dias atuais. Utilize como base o texto abaixo.

Texto de apoio ao professor - Comunicação

O declínio da narração: a era da imprensa.
O aparecimento do capitalismo provocou profundas transformações em todos os setores da vida social. Seu dinamismo não deixou intacto nem mesmo o modo de o homem transmitir experiências, já que substituiu a narração de experiências pela transmissão de informações, então possibilitada pelo sucesso da reprodução mecânica da escrita, fato decorrente da invenção da imprensa.

Com a chegada do texto impresso, a comunicação deixou de ser artesanal - uma relação direta entre os homens - para se tornar dependente de uma máquina, de um equipamento técnico ou tecnológico. A reprodução mecânica da escrita em pouco tempo se espalhou para todo o mundo civilizado, sendo acompanhada pela multiplicação dos leitores, em um processo que hoje denominamos de "democratização da cultura". Com seu triunfo e sucesso surgiu a cultura baseada na supremacia do livro, que perdurou até o século 20.

A época dos meios de comunicação de massa.
Desde então, o processo de comunicação conheceu sucessivas transformações decorrentes do aparecimento de novos aparelhos tecnológicos. No final do século 19 surgiu a reprodução técnica das imagens, com a invenção da fotografia e, logo depois, do cinema. O som também foi tecnicamente reproduzido, com a invenção do gramofone, espécie de avô dos modernos aparelhos de som que conhecemos. Não demorou muito para aparecerem outros meios de comunicação de massa, como o rádio e, em seguida, a televisão, que possibilitou a reprodução simultânea de sons e imagens.

Os aparelhos tecnológicos de comunicação de massas, típicos do século 20, foram reunidos e agrupados por seus proprietários - já que, enquanto máquinas, eram partes constitutivas do capital - em um sistema que originou a chamada "indústria cultural". Esse tipo de indústria se firmou como atividade muito lucrativa e poderosa, com produtos se espalhando rapidamente por várias partes do mundo, inclusive afetando e modificando as várias culturas nacionais.

Uma das principais consequências do sucesso da indústria cultural foi uma valorização sem precedentes da imagem tecnológica, que se tornou tão importante para a comunicação quanto a escrita. Os produtos passaram a ser ofertados aos consumidores como produtos acabados, o que gerou uma distância entre o produtor cultural e o consumidor.

Terminada a explicação, pergunte à classe se a indústria cultural ou os meios de comunicação de massa democratizam o acesso à cultura. Ouça as respostas e explique à turma que eles democratizam apenas o acesso ao produto cultural. Ao fazerem isso, transformam o cidadão em consumidor de cultura, não em produtor dela.

2ª aula
Retome as discussões da aula anterior e explique que a distância entre o produto ofertado pela indústria cultural e o consumidor se tornou, em grande medida, um obstáculo ao desenvolvimento dela. Para resolver o problema, os novos aparelhos tecnológicos de comunicação oriundos da terceira revolução industrial procuram criar e ofertar produtos interativos como o PC e os jogos eletrônicos.

Nessa época, a internet adquire excepcional importância. Começa a ganhar espaço a chamada cultura globalizada, na qual surgem novas ferramentas de comunicação, como as redes sociais (Orkut, Twitter, Facebook), que promovem e estimulam a interatividade.

Discuta com a turma a neutralidade dessas ferramentas. São elas uma decorrência natural dos aparelhos tecnológicos de comunicação na era da eletrônica? Ou configuram um novo tipo de negócio, criado por empreendedores que buscam a valorização monetária de seus produtos?

A fim de melhor esclarecer a questão, proponha uma comparação com o jornal ou com as redes de televisão. Discuta como esses meios alcançam seus objetivos financeiros. Destaque como é fundamental para eles conquistarem os anunciantes, sem os quais seus lucros seriam insignificantes. O jornal, por exemplo, precisa ter o maior número possível de leitores, pois desse número depende o valor dos anúncios. Estimule a comparação com as redes de televisão, enfatizando como o valor do tempo que ela vende aos anunciantes está diretamente relacionado com a extensão de sua audiência. Discuta também as consequências desse fato, debatendo se o espectador é um meio ou fim para elas.

Retome agora a comparação, focando as redes sociais. Mostre que, para efetivamente se tornarem um negócio de grandes proporções, elas necessitam de usuários, tanto quanto o jornal e a televisão de consumidores. Por isso, conquistar adeptos é a meta fundamental. Realce que, diferentemente dos meios tradicionais, elas não oferecem um produto acabado, mas apenas uma ferramenta que o usuário pode usar como bem entender. Por não ofertarem um determinado conteúdo, como o jornal, o cinema ou a TV, elas são mais baratas que esses meios.

Seu conteúdo é criado pelo usuário-consumidor, que, enfim, torna-se autor. Nisso reside a chave de seu sucesso. Conclua apontando que os efeitos desse fato são amplos. Mostre como as redes sociais contribuem para produzir uma descentralização da produção cultural, já que oferecem a oportunidade de todos se transformarem em autores. Destaque, porém, que a liberdade e o poder expressivo do usuário-consumidor não resulta de uma conquista social, mas de uma necessidade do meio, da ferramenta. Nesse sentido, os usuários apenas respondem a um estímulo objetivo. Por fim, indague se os meios antigos tiveram efeitos críticos ou políticos consideráveis, equiparáveis aos obtidos pelas redes sociais na atualidade: na luta contra as ditaduras verificadas na América Latina durante a década de 1970, por exemplo, o velho e obsoleto mimeógrafo teve papel político destacado, pois foi o meio mais barato e mais ágil para a comunicação da resistência política a elas.

Além disso, eles também eram instrumentos de mobilização política. Amplie a discussão mostrando, como afirma a reportagem de VEJA, que as redes sociais podem ser bastante úteis na luta contra regimes ditatoriais, principalmente para informar o resto do mundo sobre o que ocorre em tais países. No entanto, como elas se destinam ao usuário-consumidor, que acessa a rede na solidão de sua casa, indague se elas teriam a mesma capacidade de mobilização política dos obsoletos mimeógrafos na luta política interna do país. Para encerrar, solicite aos alunos o desenvolvimento de uma dissertação sobre essa questão.

Avaliação
Com base nas discussões da primeira aula e na dissertação solicitada no fim da segunda, verifique se os alunos entenderam a reportagem e a discussão efetuada, checando seus argumentos e a coerência da exposição.

Consultoria Débora Carvalho
mestre em Sociologia pela UNESP Araraquara. Doutoranda em Sociologia pela mesma instituição.

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.