Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Plano de Aula

Como se faz uma pintura abstrata?

Planeta Sustentável

Objetivos
Identificar os parâmetros para avaliar o estilo e a qualidade de uma obra artística

Conteúdo relacionado

Reportagem da Veja:

Introdução
Seus alunos também acham que arte abstrata é aquele tipo de pintura sem sentido que qualquer criança faz? Diga-lhes que uma criança de apenas 4 anos está agitando o milionário mercado de artes americano. A pequena Marla, informa VEJA, tem um talento que não se observa em crianças da sua idade: ao misturar as cores numa tela em branco, ela sabe o momento exato de parar. Um dos quadros criados durante essas brincadeiras já rendeu 12 000 dólares à família da garotinha. Use o texto para mostrar à moçada que existem parâmetros muito claros sobre a pertinência e juízo de valor acerca da pintura abstrata. No Brasil, por sinal, artistas como Tomie Ohtake e Manabu Mabe fizeram desse gênero suas marcas registradas. Apresente outros ícones mundiais do movimento e ajude os estudantes, por meio de um exercício, a diferenciar uma obra que capta uma abstração do mundo daquela que existe como uma concreção da realidade.

Preparação da aula
Peça que os alunos tragam de casa potes plásticos, vasilhames de vidro, frutas, bibelôs etc. Providencie folhas de papel, pincéis e tinta guache de diferentes cores, pratos ou godês para misturar as tintas e panos para limpeza.

Atividades
Convide a turma a fazer arte. A atividade se divide em três partes:
 
etapa Organize sobre uma mesa o material trazido pelos alunos e arranje as carteiras da sala em círculo. Cuide para que ninguém fique muito longe das peças. Ensine os jovens a organizar o equipamento de pintura e, numa folha de papel, sugira que retratem de modo bastante livre o que vêem em cima da mesa. Instrua-os a simplificar as formas: as laranjas podem virar círculos; as garrafas tornam-se retângulos ou triângulos. Tudo isso sem a preocupação com a precisão geométrica nem a utilização de réguas e esquadros. Da mesma maneira, as cores não precisam ser idênticas às da realidade e as indicações de luz, sombra ou brilho podem ser apenas lembrados por manchas mais claras ou escuras. Lembre-os também de pintar o fundo (espaço entre os objetos).

etapa Retire o material de cima da mesa e lance uma proposta de desenho livre a partir de um assunto genérico. Você pode mencionar o amor, a violência, a paz, a alegria ou a saudade. Sugira que os estudantes produzam uma pintura sem se valer de imagens reconhecíveis apenas formas, manchas e cores de acordo com os sentimentos que o tema inspira em cada um.

etapa Estimule a execução de um terceiro trabalho com tintas. Desta vez, porém, oriente a turma a não tentar representar coisa alguma nem objetos, nem pessoas, nem sentimentos. A escolha de formas, pinceladas, cores e tons deve obedecer apenas à sensibilidade de cada adolescente e do uso que o mesmo faz do espaço na folha de papel. O resultado da tentativa deve visar equilíbrio, tensões e dinâmicas diferentes na pintura.

Elabore e exponha um mural com os trabalhos produzidos e reúna as pinturas segundo as etapas já descritas. Pergunte em que diverge cada tipo de proposta. A confecção de que trabalho divertiu mais a moçada? Ou todos foram interessantes? Leia o texto do quadro abaixo e esclareça as principais diferenças entre a primeira etapa (a abstração de uma imagem), a segunda (a abstração de um sentimento) e a terceira (uma concreção que se refere em si mesma). Demonstre como cada tipo de pintura é uma maneira de expressão da arte e que nenhuma delas é melhor ou pior do que a outra elas são apenas propostas diferentes que dependem da intenção do autor.

Oriente a leitura da reportagem e debata a arte da pequena Marla. Pergunte se o fato de a menina pintar de modo mais ou menos abstrato está relacionado à qualidade pictórica equilíbrios e contrastes de cores, formas e pinceladas de seus trabalhos, ou se podem existir abstrações belas e feias . Tente convencer os adolescentes de que o valor de uma pintura não tem a ver com o seu grau de abstração, mas com a adequada realização de uma intenção artística. Depois, conte que vários autores os que assinam as obras reproduzidas neste roteiro de aula, por exemplo quiseram experimentar a pintura desse modo virgem, dando pinceladas como se não soubessem o que faziam, como o primeiro pintor , ou ainda uma criança . Isso porque os pequenos, em sua pureza e ingenuidade, são naturalmente atentos à relação estreita com os fenômenos do mundo. Assim, um artista como Jackson Pollock se debate com sua pintura, tentando lutar contra aquilo que sabe, para produzir algo absolutamente novo . E Marla consegue fazer isso naturalmente.

Para saber mais
Abstração e concreção

 

Moscou I, óleo sobre tela exposto na Galeria Tretyakov, na capital russa
Moscou I, óleo sobre tela exposto na Galeria Tretyakov,
na capital russa

Não há, na realidade, oposição entre figuração e abstração nas artes plásticas. O processo de abstração (sintetização das formas) existe em qualquer modo de representação, mesmo nas pinturas chamadas naturalistas. O que pode ser diferenciado é o grau de abstração de uma imagem, que varia de acordo com o reconhecimento possível da forma original percebida pelo olho. Quando a referência não é mais visível, chega-se a uma abstração pura , ou seja, uma forma autônoma em relação à realidade. A primeira abstração de que se tem notícia é atribuída ao russo Vassili Kandinsky (autor de Moscou I, abaixo), um dos grandes do gênero no século XX, ao lado de Pietr Mondrian e Kazimir Malevitch. Em 1930, Theo Van Doesburg usou pela primeira vez a expressão arte concreta para denominar as manifestações que se desvincularam totalmente da representação da natureza e dos sentimentos isto é, como se fosse um puro fato plástico ou visual.
 

Veja também:

O Sorriso de Monalisa, Mike Newell, Columbia Pictures

 

 

Consultoria Marco Antonio Pasqualini de Andrade
Professor de História da Universidade Federal de Uberlândia (MG)

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.