Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Sequencia Didatica

O Brasil já pode ser considerado um país desenvolvido?

VEJA na Sala de Aula

Conteúdo relacionado

Este plano de aula está ligado à seguinte reportagem de VEJA:

No noticiário internacional o Brasil é a bola da vez. Já somos a 7ª maior economia mundial e temos nossas universidades dentro do ranking das 70 melhores do mundo. Mas será que isso reflete a realidade do país?

Objetivos
- Compreender que o desenvolvimento de um país é uma tarefa complexa de se avaliar e que a visão meramente econômica é insuficiente.
- Identificar e compreender os índices mais empregados para a avaliação do desenvolvimento dos países
- Comparar o desenvolvimento dos países cruzando graficamente IDH e Índice de Gini.

Desenvolvimento Brasil


Conteúdos
- Métodos para medir o desenvolvimento
- Os índices de produção econômica e de desenvolvimento humano: PIB, PIB per capita, IDH e Índice de Gini
- Linguagem gráfica e cartográfica

Tempo estimado
Duas aulas

 

Material necessário
- Datashow
- Cópias da matéria "Entre os grandes", publicada em VEJA (Edição 2262, 28 de março de 2012).

Desenvolvimento
1ª.aula
Comece a aula lendo junto com os alunos o artigo de Veja a respeito da classificação obtida pela Universidade de São Paulo entre as melhores 70 universidades do mundo no ranking Times Higher Education, um dos múltiplos rankings existentes do gênero.

Compare este com outros rankings já publicados sobre a posição da universidade. Mostre que, em cada um destes rankings, a posição da USP varia de tal modo, que a conclusão que se tira é que os critérios de mensuração são também muito diversos. Mas, releve também que, de todo modo, é muito importante esse novo posicionamento da USP em um ranking de prestígio como o mencionado.

Conte aos alunos que estas mudanças em índices educacionais de algum modo estão ligadas a uma mudança relevante no Brasil no campo da pesquisa científica, principalmente no que diz respeito ao investimento em tecnologia. E, sem dúvida, todas as análises sobre o desenvolvimento dos países dão muito peso à questão do desenvolvimento tecnológico e científico.

Pergunte se os alunos têm observado que se vive no Brasil certa euforia com nosso desenvolvimento - crescimento. Ao mesmo tempo, veja se eles notaram que alguns países da Europa, como a Espanha, Grécia, Portugal, Itália vivem em uma grande crise. Mas, esses não eram os países desenvolvidos de ontem? Afinal, o que está acontecendo com o mundo? O que está acontecendo com o Brasil?

Questione então os alunos: Será que esse progresso da USP é um indicativo de avanços gerais que vem ocorrendo no país? Somos atualmente a 7ª maior economia do mundo (7º maior PIB) à frente de países europeus como Espanha e Itália, e gigantes territoriais (e de grandes volumes de recursos naturais) e populacionais como a Rússia e a Índia.

A seguir, exponha para os alunos as duas principais referências de desenvolvimento dos países:
1. O PIB: O volume da atividade econômica, algo que é representado pelo Produto Interno Bruto.
2. A partir da comparação com outros países. Com relação a esse último aspecto são inúmeras as classificações e denominações que foram criadas ao longo do século 20 (em especial na segunda metade), muitas abandonadas (como por exemplo, 1º, 2º e 3º mundos), outras atualizadas e assim por diante. Atualmente, um país como o Brasil é frequentemente denominado como emergente. O que quer dizer que ele está transitando (emergindo) de uma condição "frágil" para uma posição de "força" no contexto mundial.
Não há nada de novo em dizer que a questão do desenvolvimento do país é sempre bem mais complexa do que alguns índices podem apreender e as classificações podem apreender. Para demonstrar a complexidade existente nessa questão vamos comece a discutir os índices com a classe. Monte na lousa uma tabela com as principais siglas e coloque palavras-chave à respeito de suas definições:

- PIB (Produto Interno Bruto): . O PIB representa a soma em dinheiro de todos os bens e serviços finais produzidos num país (ou numa região, num estado, numa cidade). Isso é medido durante um período (mês, trimestre, ano, etc). Ele mede, portanto, a atividade econômica. Esse é o índice utilizado atualmente para afirmar que o Brasil é a sétima maior economia mundial. Alguns, apressadamente, traduzem esta informação para 7º país mais desenvolvido do mundo, o que não é verdade. Coloque então em questão com os alunos se essa informação somente é suficiente para definir o índice de desenvolvimento de um país. O que mais os alunos acham que precisaria ser levado em conta para que o país fosse considerado desenvolvido?

- IDH (Índice de Desenvolvimento Humano): O Índice de Desenvolvimento Humando procura medir efetivamente como as pessoas vivem. Atualmente (desde 1993) ele é empregado pela ONU (Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento). O IDH é uma medida comparativa proposta justamente para ir além da medida do desenvolvimento de um país feita apenas a partir de dados econômicos. Esses devem ser considerados, mas juntamente com outros, tais como: dados de expectativa de vida ao nascer, de níveis educacionais e do PIB per capita.

Peça pra que na próxima aula os alunos pesquisem nos seguintes sites IDH e o PIB do Brasil e de cinco outros países em diferentes condições:

http://www.pnud.org.br/idh/
https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/rankorder/2001rank.html (utilizar tradutor)

Na próxima aula analise os dados trazidos pela classe e questione-os: Será que as posições de IDH são próximas à classificação que estes mesmo países ostentam entre os PIBs mundiais? Eis algumas comparações e questões que podem ser trabalhadas pelo professor em sua classe. 
Comente também sobre:

- Índice de Gini: é uma medida de desigualdade comumente utilizada para calcular a desigualdade de distribuição de renda. Ele parte de um coeficiente entre 0 e 1, e expressa as desigualdades em porcentagem, sendo que 100% corresponderia a desigualdade absoluta na distribuição da renda, e onde 0% seria a igualdade total. Esse índice é de grande importância porque sabemos que as situações de riqueza e pobreza se referem não só ao montante da riqueza produzida, mas também, e por vezes principalmente, às formas como a riqueza produzida é distribuída. Por exemplo: se as mulheres recebem menos que os homens pelo mesmo trabalho realizado, temos um desvio de distribuição injusta gerando pobreza, ou desigualdade. E a razão disso é cultural e social e não econômica. Outro comentário importante: o Índice de Gini traz uma informação que nem o próprio IDH contempla: a desigualdade na distribuição da renda. No IDH o índice econômico considerado é o PIB per capita, quer dizer um valor médio obtido pela divisão do PIB total pelo número de habitantes de um país. Aqui seria importante o professor discutir com seus estudantes a diferença entre valores médios e a realidade da distribuição de renda.

2ª aula
Comece a aula debatendo os dados trazidos pelos alunos solicitados na aula anterior. Projete por meio do Datashow a tabela abaixo:

Desenvolvimento humano

 

 

Junto com a classe, identifique os elementos indicados para facilitar a leitura e interpretação do gráfico
1. Os continentes são diferenciados por cores, como indica a legenda
2. Os tamanhos das circunferências nos informam sobre o tamanho das populações, logo, os círculos da China e da Índia são de longe os maiores.
3. O eixo vertical do gráfico nos dá a escala do IDH que vai de 0 a 1 (no gráfico o primeiro número que aparece é 0,4. Quanto mais distante de 1 pior o IDH;
4. O eixo horizontal do gráfico nos dá a escala do Índice de Gini. O primeiro número que aparece é 30% (desigualdades fracas) e o último número que aparece é 74,3% (desigualdades fortes);
5. Na área dos gráficos os países serão distribuídos conforme sua posição em relação aos dois índices. Vejam o exemplo do Japão: IDH alto e Índice de Gini demonstrando desigualdades fracas, o posicionou no alto à direita do gráfico. Vejam o exemplo de Serra Leoa (África) IDH baixo e desigualdades fortes segundo o Índice de Gini, posicionaram o país embaixo e a esquerda do gráfico, justamente na posição oposta ao Japão.

Entendido o mapa, discuta com a classe:
1. Cada país se posiciona diferentemente de seus vizinhos continentais, ou é possível notar que há aproximações, por exemplo, na América Latina ou na Europa? Será que há realidades comuns percorrendo continentes? É bom observar o gráfico buscando essa possibilidade.
2. Veja o caso do Brasil. Em que posição do IDH ele se encontra? Por comparação com outros países pode ser considerada boa essa posição, tendo em vista a força econômica do país? E quanto à distribuição de renda? Há países que tenham o porte populacional e econômico do Brasil em situação semelhante á do Brasil ou ele é um caso único? Por que há tanta diferença entre o IDH e o Índice de Gini no Brasil, o IDH também não considera o PIB? Por fim, seria bom propor-se uma observação opinativa do estudante: observando o geral do gráfico e a posição do Brasil pode-se afirmar que já somos um país desenvolvido? Os rumos que o país está seguindo devem ser esses mesmos ou é preciso correções de rota? 

Avaliação
Verifique se o aluno compreende porque é preciso cruzar vários indicadores para se ter uma visão mais completa do desenvolvimento de um país. Veja se eles compreenderam o que cada índice representa, o que ele mede e como cada um funciona. Por fim, analise a capacidade do aluno em compreender o gráfico e saber avaliar a condição de desenvolvimento dos países a partir de sua interpretação.

Consultor Fernanda Padovesi Fonseca
Geógrafa, professora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
Compartilhe
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.