Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Plano de Aula

O atletismo como base

Planeta Sustentável

Conteúdo relacionado

Este plano de aula está ligado à seguinte reportagem de VEJA:

 Objetivos
Perceber e compreender as interfaces existentes entre a prática do atletismo e do basquetebol; reconhecer a importância de uma formação esportiva abrangente.

Conteúdos
Força rápida; Tempo de reação; Resistência de jogo/prova ; resistência de saltos, sprints e suas combinações com paradas bruscas e mudanças de direção em variados movimentos defensivos e ofensivos; Percepção, identificação e estabelecimento de relações entre os componentes presentes no treinamento de diversas modalidades esportivas.

Tempo estimado
Duas aulas

Materiais
Bolas de basquete, apito, coletes, prancheta, papel, caneta.

Introdução
A entrevista de VEJA com o mítico Joaquim Cruz, duas vezes medalhista olímpico na prova dos 800m (ouro em Los Angeles em 1984 e prata em Seul em 1988), traz à tona a discussão da política de investimentos para a realização do evento na cidade do Rio de Janeiro em 2016. O texto é um bom ponto de partida para uma aula de Educação Fisica.

 

Texto de apoio ao professor Joaquim Cruz e o esporte no Brasil

Cruz - como foi chamado pelos jornalistas internacionais na ocasião de suas conquistas - questiona a falta de planejamento a longo prazo para o desenvolvimento de atletas de ponta e fala sobre a importância do legado do evento máximo do esporte - as Olimpíadas - para o próprio esporte, para a cidade, para o atleta, e conta que, para ele, o que importa é o que fica, e não o que passa.

A história deste ícone do atletismo brasileiro demonstra na prática que, assim como a formação intelectual, uma formação esportiva abrangente agrega valores e sentido para a vida do indivíduo, independentemente deste escolher o esporte como profissão. Suas palavras inspiram e nos levam a refletir, trazendo uma mensagem ao compartilhar um pouco de sua história de vida e ao resgatar a memória de outros antigos heróis do esporte que trilharam um árduo caminho na busca de algo além dos "louros da vitória": um propósito para suas vidas.

A vitória é ora dos mais fortes, ora dos mais rápidos, mas a glória fica eternizada nos corações dos nobres de espírito.

Apesar de ter vivido tantos anos do e para o atletismo, Joaquim é praticante e amante confesso do basquete, que acabou por se tornar a paixão de seus dois filhos adolescentes. Quando o ex-corredor fala de seu desempenho no basquete é interessante pensar no valor do atletismo como "esporte de base" para a prática de diversas outras modalidades esportivas disputadas na forma de jogo.

É possível trabalhar capacidades e habilidades motoras específicas do basquetebol por intermédio da prática do atletismo? Será que a utilização de alguns elementos do jogo de basquetebol pode tornar a prática do atletismo mais atraente?

Sim, tudo isso é possível. E, para ilustrar, apresentamos a seguir um exemplo de plano de aula para o Ensino Médio. Entretanto, elabore e ajuste seu planejamento de acordo com a realidade de sua escola e de seus alunos, acreditando sempre que um garoto que gosta de basquete pode se tornar um magnífico corredor e que um garoto que gosta de corrida pode se tornar um grande médico. Einstein disse algo do tipo: "Tudo é impossível, até que alguém chega e prova o contrário". A ideia aqui é, somente, tentar inspirar.

Desenvolvimento

1ª aula
Usando da entrevista de Joaquim Cruz às Páginas amarelas de VEJA, discuta com os alunos sobre políticas públicas aplicadas ao esporte. Comece debatendo que tipo de esportes são mais populares no país. Após elencar alguns, relembre outros menos populares, como o atletismo de Joaquim Cruz. Se possível, utilize a internet para buscar vídeos de recordes e conquistas brasileiras.

Levante uma discussão sobre a falta de popularidade de alguns esportes estar associado à falta de interesse da população ou à falta de investimentos públicos em espaços para treinamento de atletas. Deixe que a turma apresente suas opiniões.

2ª aula
Após ter discutido com os alunos as razões de alguns esportes serem mais populares que outros, proponha que eles experimentem as conexões que existem entre as diferentes práticas esportivas . Explique à turma que, para isso, eles vão usar a velocidade do atletismo para a prática do basquete. Na quadra, sugira as atividades abaixo.

Aquecimento:
Comece com qualquer tipo de 'pega-pega' para que a turma se aqueça. O formato da atividade pode ser sugerido pelos alunos. (No trabalho com adolescentes, é importante fazer com que eles participem das decisões). Uma sugestão de atividade é o 'pega-pega pula cela':

Distribua os alunos pelo espaço de jogo e peça que alguns permaneçam agachados. Para começar, há um 'pegador' e um 'fugitivo'. Quando o 'fugitivo' estiver cansado, em situação complicada ou, por qualquer outro motivo, considerar estrategicamente conveniente, pode saltar um dos colegas agachados e assumir sua posição. O jogador que foi saltado se transforma automaticamente em 'pegador' e o até então 'pegador' será o novo fugitivo. No decorrer da atividade, pode-se acrescentar uma ou duas duplas de 'pegador' e 'fugitivo', para deixar o jogo mais dinâmico e proporcionar a participação de um número maior de alunos ao mesmo tempo. Lembre-se de que é importante considerar o espaço de jogo e o número de alunos para decidir se isto será apropriado.

Exercício de 1x1:
Os alunos vão trabalhar partindo do fundo da quadra. Posicione uma bola no centro da quadra e dê um sinal sonoro (pode ser um apito ou o bom e velho "Prepara... Vai!") para que a primeira dupla parta para disputar a bola e jogar 1x1 na outra metade da quadra. Quem chegar antes à bola será o atacante e deverá tentar fazer a cesta enquanto o oponente tentará impedi-lo, de acordo com as regras do jogo.

Variar as duplas, as posições de largada e os estímulos utilizados podem ser alternativas interessantes. Os alunos poderão largar em pé, sentados, de frente ou de costas para a bola.

Outras variações sugeridas:
a) Lance a bola para o alto no centro da quadra enquanto a dupla está de costas e esta só poderá partir quando ouvir o som da bola quicando no piso;
b) Faça um gesto com o braço ou utilizar algo como uma bandeira ou colete para largada a partir de um estímulo visual;
c) Toque o ombro ou as costas para que a dupla faça a largada.
Os estímulos poderão variar: sonoros, visuais, sinestésicos (duas ou mais sensações sob a influência de um estímulo).

Exercício de saltos - rebote, aterrissagem, salto para arremesso em suspensão (jump):

Haverá alunos posicionados no fundo da quadra para fazer os passes a um colega para uma sequência de cinco arremessos da bola contra a tabela. Ao sinal, o primeiro parte em velocidade até o centro da quadra e retorna para receber o passe e realizar o primeiro arremesso. O atacante salta para pegar o próprio rebote e faz o passe para o mesmo colega, para receber a bola novamente, realizar um segundo arremesso e assim sucessivamente, até completar a sequência de cinco arremessos. Feito isto, ele partirá novamente em velocidade até a linha central da quadra, seguirá fazendo deslocamento defensivo até a linha final do lado oposto e retornará trotando por fora da quadra, paralelamente à linha lateral. Terminada esta etapa, o aluno se posiciona no fundo da quadra, aguardando o momento de assumir o papel de passador. O jogador que fez os passes será o próximo arremessador a executar a sequência.

Uma alternativa para variar e favorecer o interesse e o envolvimento é incluir arremessos à cesta e incentivar para que os alunos contem tentativas e acertos para terem uma ideia do próprio aproveitamento.

Um placar diferente
Jogo: sugira um jogo de basquete em que toda cesta valerá dois pontos e cada salto que resulte em rebote - seja ofensivo ou defensivo - valerá três pontos.
Dica: Se houver algum aluno impossibilitado de jogar, peça seu auxílio para a anotação e contagem dos pontos.

Avaliação

Questões orientadoras:
• Quais são os fatores que influenciam para que o atleta reaja rapidamente? A força interfere? E o cansaço?
• Um atleta menos forte, mas que reaja mais rapidamente a um estímulo pode obter vantagem? E um atleta com menor impulsão, mas que mantém a qualidade de seus saltos durante um jogo de basquete ou durante uma corrida com barreiras ou obstáculos?
• Quais as habilidades e exercícios presentes tanto no treinamento de corredores quanto de jogadores de basquete?

Atividade avaliativa
Discuta com a turma qual foi a modalidade trabalhada no primeiro exercício (basquetebol). Pergunte qual a importância para um jogador de basquete de ter um tempo de reação curto. Partir para disputar a bola é o exemplo mais evidente no exercício proposto, mas estimule-os a pensar e a trazer mais alguns. A seguir, leve-os a relacionar com o atletismo pensando nas provas de velocidade em que um sinal sonoro é o exemplo de estímulo a que o atleta deve responder rapidamente para fazer uma boa largada, como também ocorre na natação e em diversas outras modalidades esportivas, principalmente individuais. Se houver tempo e considerar pertinente, discuta se o cansaço interfere no tempo de reação.
Estimule a discussão para que os alunos a cheguem de forma autônoma às respostas e conclusões.

Indicadores de avaliação sugeridos:
- Quantidade de exemplos apresentados pelos alunos para cada questionamento;
- Coerência dos exemplos;
- Argumentação que sustente, convença e fortaleça cada exemplo apresentado;
- Relações estabelecidas com o conteúdo da entrevista com Joaquim Cruz.

Consultora Fabiana Pinheiro
Personal trainer e Basketball referee

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.