Revistas do mês
Nova Escola
Gestão Escolar
publicidade

Sequência Didática

Corrida de orientação e trekking dentro da escola

Objetivos
- Ampliar a cultura esportiva.
- Conhecer a corrida de orientação.
- Identificar as diferenças e semelhanças entre a corrida de orientação e as outras modalidades em relação a aspectos como local da prática, velocidade, regras, número de corredores etc.

Conteúdos específicos
- Corrida.
- Orientação espaço-temporal.
- Elaboração, leitura e interpretação de mapas.

Anos
1º ao 4º.

Tempo estimado
Dez aulas.

Material necessário
Papel, canetas coloridas, cronômetro, garrafas, cordas, bancos de madeira, bambolês, cones, colchonetes e outros objetos que possam funcionar como obstáculos. Textos e imagens sobre a corrida de orientação

Textos e imagens sobre a corrida de orientação
Confederação Brasileira de Orientação
O radical

Flexibilização
Para trabalhar a corrida com alunos com deficiência nos membros inferiores, certifique-se de que os espaços da escola possuem rampas e apoios para os alunos com deficiência física.

Ao invés de utilizar os trios, divida a turma em duplas. Oriente o cadeirante para que ele faça a interpretação do mapa e ajude o parceiro que vai percorrer o trajeto.

No caso de crianças com alguma possibilidade de movimentação dos membros inferiores, sugira que a corrida seja feita com os pares sempre juntos ao longo da atividade. Utilize skates para que os alunos percorram o trajeto sentados. A criança com deficiência pode ajudar na leitura do mapa enquanto seu parceiro impulsiona o skate.

Para crianças com deficiência nos membros superiores o processo é inverso. Faça com que as duplas percorram o trajeto juntas. Mas, neste caso, é o colega que vai conduzir o mapa e a bússola para o aluno com necessidades especiais.

Desenvolvimento
1ª etapa
Pergunte às crianças o que elas sabem sobre atletismo e esportes que envolvem o ato de correr. Elas conhecem e já praticaram algum? Quais? Já ouviram falar sobre a corrida de orientação?

2ª etapa
Realize algumas das corridas citadas pela turma e organize um registro coletivo por escrito sobre as semelhanças e diferenças percebidas.

3ª etapa
Pesquise textos e imagens sobre a corrida de orientação e apresente ao grupo uma aula expositiva. É importante mostrar um exemplo de mapa. E, se possível, convide um árbitro ou um praticante da atividade para conversar sobre a prática com a turma.

4ª etapa
Proponha aos alunos vivenciar uma adaptação da corrida na escola ou no entorno dela. Para começar a organizá-la, eles devem pensar onde o percurso pode ser realizado (se possível, disponibilize a planta baixa da escola para que visualizem as possibilidades). Depois, é preciso elaborar as regras e traçar um mapa para orientar os competidores. Ele pode ser desenhado no quadro e copiado pelas crianças no caderno.

5ª etapa
Com o mapa pronto, é hora de definir o trajeto a ser percorrido e os obstáculos. É importante também criar as legendas que identifiquem esses elementos. Com a ajuda da turma, organize o trajeto real, respeitando as determinações do mapa.

6ª etapa
Divida a garotada em grupos de três alunos e entregue uma cópia do mapa para cada um. Antes de dar a largada, explique a importância de eles se manterem unidos e respeitarem as regras. Libere um trio de cada vez, com um intervalo de alguns minutos.

7ª etapa
De volta à sala, converse com todos sobre o que acharam da atividade e quais dificuldades encontraram para ler e interpretar o mapa e passar pelos obstáculos.

Avaliação
Peça aos trios que elaborem um mapa para outra corrida. Determine o espaço a ser usado no trajeto e uma seleção de obstáculos a ser incluídos. Analise as produções e faça as alterações necessárias para tornar todas possíveis de serem realizadas. Sorteie um dos mapas e apresente-o aos estudantes para que o trajeto seja organizado por eles. Durante a montagem, observe como eles se relacionam e leem o mapa. Na hora da competição, analise como vencem os obstáculos e quais dificuldades encontram. É esperado que lancem mão dos conhecimentos que adquiriram, principalmente dos referentes à vivência anterior.

Consultoria Fabio D'Angelo
Coordenador pedagógico do Instituto Esporte e Educação e selecionador do Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10.

Flexibilização Teca Antunes
Diretora do Colégio Santa Amália / Maple Bear - SP e Mestre em Educação Inclusiva.

Flexibilização Luiz Henrique Fleck
Professor de Educação Física do Colégio Santa Amália Maple Bear - SP e pós-graduando em esportes e atividades de aventura.

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.