Revista do mês
Nova Escola
Assine Nova Escola
publicidade

Parasitas da pesada

Piolhos, pulgas e carrapatos provocam coceiras e, por vezes, doenças. Ensine as características desses animais e como ficar longe deles

Patricia Cerqueira

Você pode não ver, mas o piolho, a pulga e o carrapato circulam por toda parte. Os dois primeiros passeiam pelo chão da sala de casa e se escondem nas roupas de cama. As pulgas ainda ficam bastante à vontade em meio aos pelos de animais de estimação, como cachorros e gatos. O carrapato, por sua vez, pode viver em vãos de muros e paredes, jardins e trilhas no meio da mata. Apesar de serem minúsculos, esses animais não passam despercebidos e não brincam em serviço: quando atacam o homem, um dos seus hospedeiros tradicionais, provocam um bocado de coceira. Para piorar, pulgas e carrapatos podem até transmitir doenças quando estão infectados por vírus, bactérias e protozoários (confira outras informações nos quadros distribuídos ao longo desta reportagem). Isso ocorre porque eles passam todo o tempo se alimentando - e o cardápio não é lá muito variado. Os três são hematófagos, ou seja, só se alimentam de sangue, sempre obtido por meio de picadas.

Durante a aula, você deve resistir à tentação de apresentar esses seres vivos como nocivos e do mal. Com esse histórico, a turma pode perguntar o porquê da existência deles, já que, à primeira vista, só atrapalham. "Todos os seres vivos têm uma função no ciclo biológico. A dos hematófagos é a parasitária", explica Júlio Vianna, Ph.D. em Parasitologia e pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), no Rio de Janeiro. Vianna admite que, se esses parasitas externos desaparecessem da natureza, talvez ninguém sentisse a falta deles. "Nem os predadores. Na falta de pulgas e carrapatos, aves como a garça, a galinha e o pardal se alimentam de pequenos roedores, peixes e outros insetos, como os cupins. O piolho, então, não deixaria nenhum bicho na saudade. Ele é o único dos três que não tem predador direto", diz (veja abaixo como ele ataca e de que modo pode ser combatido).

Lígia Duque
Infografia: Lígia Duque

Veja o infográfico acima ampliado

O fato de eles cumprirem um papel um tanto desnecessário no ciclo biológico não torna piolhos, pulgas e carrapatos menos importantes para o estudo em Ciências. A bióloga Denise Jardim, coordenadora do curso de formação de professores da editora Sangari, em São Paulo, destaca a importância da temática no currículo do 3º e do 4º ano. "É essencial tratar a relação desarmônica, própria de parasitas, que esses animais estabelecem com o homem."

Rogério Tadeu Sant'Anna, responsável pelo laboratório do Colégio Pentágono, em Barueri, SP, estuda essa problemática enfatizando a importância do bem-estar. "Ao descobrir como agem os piolhos, as pulgas e os carrapatos, a criança começa a entender a relação entre parasitas e saúde e vai tomando consciência sobre o ambiente em que vivemos e os cuidados que devemos tomar", explica o professor. Ele trabalha as pragas urbanas - como pombos e ratos, grandes concentradores de pulgas - e aproveita o contexto local para ensinar sobre os carrapatos. Num parque próximo da escola, vivem várias capivaras, infestadas desses bichinhos, recolhidos por ele para serem estudados em laboratório (Veja aqui uma sequência didática sobre o tema).

Pulga (Pulex irritans)*

Lígia Duque

Locomoção Pula até 20 centímetros para cima e até 35 centímetros na horizontal.
Doenças que transmite Irritação de pele e, em pessoas mais sensíveis, reações alérgicas.
Tempo de vida De 125 a 510 dias.
Reprodução Sexuada.
Procriação De 20 a 22 ovos por dia.
Tempo de incubação Até 12 dias.
Tamanho De 2 a 3,25 milímetros.

Se não é possível conviver bem com os três parasitas, o melhor a fazer é conhecê-los em detalhes e saber como evitá-los. Manter bons hábitos de higiene pessoal e no ambiente diminui as chances de ocorrência de infestações, caracterizadas pela presença maciça e pela proliferação descontrolada desses seres. Os especialistas recomendam ainda usar roupas e repelentes que protejam o corpo nos passeios de fim de semana pelo parque ou durante caminhadas pela mata. Vale também dar banhos periódicos nos animais de estimação e vasculhar o pelo deles.

O calor atrai os bichos, mas ter higiene ajuda a evitá-los

De maneira geral, as crianças se interessam pelo assunto e arriscam perguntas bastante interessantes, inclusive sobre as características físicas desses animais - um ponto importante a ser abordado durante o estudo do tema (leia o projeto didático). Você pode orientar pesquisas para que os alunos descubram, por exemplo, o modo de locomoção dos bichos. Que a pulga pula - e como pula! -, a maioria da turma já sabe. Mas os carrapatos e os piolhos nem pulam nem voam. Eles apenas andam! Esses últimos, especificamente, têm como vantagem a habilidade de alpinista, pois escalam os fios de cabelo com suas garras.

Piolho (Pediculus capitis)*

Lígia Duque

Locomoção Escala os fios de cabelo.
Alimento Sangue.
Doenças que transmite Nenhuma, mas as feridas que causa podem ser a porta de entrada para infecções oportunistas.
Tempo de vida 30 dias.
Reprodução Sexuada.
Procriação Até dez ovos por dia.
Tempo de incubação De sete a dez dias.
Tamanho De 3 a 5 milímetros.

Mesmo não conseguindo vencer grandes distâncias, o piolho passa de uma criança à outra com facilidade. Basta um vento ou um contato rápido com alguém infectado - durante a aproximação para tirar uma foto ou se cumprimentar, por exemplo - para se infectar também. Essa agilidade faz com que só as medidas de prevenção não sejam suficientes para evitar o problema da infestação. Essa informação desfaz o mal-entendido de que a pediculose tem uma relação com a falta de higiene.

Um dado curioso para a turma é o número de patas dos bichos: o carrapato, da classe dos aracnídeos, possui oito, enquanto piolho e pulga têm seis - como todos os insetos. "As crianças costumam ficar surpresas ao saber que, apesar de pertencer a essa classe, eles não têm asas", pontua Marina Voos, professora da Escola Móbile, em São Paulo (leia no quadro abaixo como trabalhar o tema com turmas de 6º e 7º anos).

O conteúdo no 6º ou 7º ano

Os alunos vão voltar a estudar os parasitas no 6º ou no 7º ano. Nessa fase, o professor aborda com mais profundidade a classificação e a evolução das espécies e conceitos como o parasitismo e as relações ecológicas harmônica e desarmônica. A curiosidade da garotada se volta ainda mais para a prevenção. "Para explicar como se prevenir, o professor trabalha o ciclo de vida completo desses animais e as formas de contágio", pontua Marcos Engelstein, biólogo e professor do Colégio Móbile, em São Paulo. Ele sugere ampliar a discussão e instigar a turma a pensar sobre como as ações individuais causam impacto no coletivo. "Ao concluir que, cuidando do próprio animal, evita-se uma infestação de pulgas na vizinhança, todos compreendem o quanto uma ação individual pode afetar positiva ou negativamente os outros."

Provavelmente, alguma criança irá perguntar por que esses parasitas são atraídos para o ser humano. Explique que todo bicho hematófago vai até o hospedeiro por várias razões. "As principais são a emissão de calor corporal e de gás carbônico pela transpiração", explica o pesquisador Vianna, do IOC. O faro fino de piolhos, pulgas e carrapatos identifica essas fontes de atração tanto no ser humano como nos animais, e não só nos de estimação, mas em cavalos, bois e porcos. Não por acaso, no verão aumenta principalmente o número de casos de crianças com piolhos. Nessa estação, os pequenos brincam mais ao ar livre e acabam tendo mais contato uns com os outros.

A EMEIEF Professora Maria Cristina Soares Fróes, em Itaboraí, na região metropolitana do Rio de Janeiro, viveu essa situação, enfrentada em conjunto por professores, estudantes e pais. Diante de um surto, a escola procurou o aprimoramento. Os professores participaram de uma capacitação no IOC e usaram o que aprenderam para organizar atividades de produção de boletins informativos com as crianças. O instituto também ofereceu palestras para as famílias, além de distribuir cartilhas e pentes finos aos alunos. "Usamos um bimestre para abordar o tema e, no fim, montamos uma exposição para a comunidade escolar com todos os trabalhos realizados", conta Adriana Rodrigues Soares, diretora da unidade de ensino e professora de uma turma de 3º ano. O problema foi resolvido e deixou um saldo positivo para todos. A busca de soluções não se limitou aos comunicados da escola para as famílias. O conteúdo ganhou destaque na sala de aula e levou a garotada a refletir sobre um assunto que tem impacto direto no dia a dia.

Carrapato-estrela (Amblyomma cajennense)*

Lígia Duque

Locomoção Caminha na pele e se aloja em pernas, barriga, antebraços e costas.
Doenças que transmite Irritação de pele e, às vezes, febre maculosa.
Tempo de vida Até 3,5 anos.
Reprodução Sexuada.
Procriação De 6 a 8 mil ovos, uma única vez na vida.
Tempo de incubação De 60 a 70 dias.
Tamanho De 5 a 25 milímetros.

Reportagem sugerida pelo leitor Flávio Montello, Rio de Janeiro, RJ

* Consultoria Júlio Vianna, pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), e Marcos Engelstein, biólogo e professor da Escola Móbile, em São Paulo, SP.

Quer saber mais?

CONTATOS
Denise Jardim

EMEIEF Professora Maria Cristina Soares Fróes, Pça. Nuno Duarte, s/n, 24800-000, Itaboraí, RJ, tel. (21) 3637-8350
Júlio Vianna
Marcos Engelstein
Marina Voos
Rogério Tadeu Sant'Anna

BIBLIOGRAFIA
Atlas Visuais - Animais, 64 págs., Ed. Ática, tel. 0800-115-152, 36,90 reais
Como Vivem os Insetos, Almenor Tacla e Maria Cecilia Morello, 56 págs., Ed. Scipione, tel. 0800-161-700 (edição esgotada)
Dinâmica das Doenças Infecciosas e Parasitárias, José Rodrigues Coura, 322 págs., Ed. Guanabara Koogan, tel. (21) 3543-0770, 139 reais
Parasitologia - Parasitas e Doenças Parasitárias, Luis Rey, 856 págs., Ed. Guanabara Koogan, 276 reais  

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários

 

Publicado em NOVA ESCOLAEdição 226, Outubro 2009, com o título Estudando os parasitas
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais
Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.