Revista do mês
Nova Escola
Assine Nova Escola
publicidade

Como se forma a ferrugem?

Não é preciso esperar que os alunos conheçam Química para iniciá-los nas questões ligadas a fenômenos cotidianos, como a ferrugem

Maria Rehder

Página de > >|
=== PARTE 1 ====
Ilustração: Sattu
COMO O AR E A ÁGUA PODEM DESTRUIR O FERRO A combinação dos três elementos forma a ferrugem, mas evitá-la é fácil. Ilustração: Sattu

1. Ar
O oxigênio penetra no ferro e começa a comprometer a resistência do metal. O processo químico é batizado de oxidação. Seus alunos vão estudar isso mais adiante, nas aulas de Química.

2. Água
O oxigênio também está presente na água, que acelera esse processo de oxidação. A combinação com o ar vai desgastando a estrutura do ferro, desde a borda até o centro do metal.

3. Ferrugem
O ferro oxidado assume uma coloração alaranjada e começa a se esfarelar: é a ferrugem. Nas áreas afetadas, o metal vai perdendo densidade e, se o processo não for contido, pode chegar à degradação total.

4. Prevenção
Para impedir que os agentes oxidantes (água e ar) ajam, a solução é impossibilitar o contato direto deles com o metal. Para fazer isso, basta revestir o ferro com uma camada de tinta ou óleo.

Por que a bicicleta só enferruja nas partes onde ela está sem tinta? O que é aquela substância laranja que aparece na lã de aço que fica molhada por um tempo sobre a pia? Por que o casco do navio não enferruja em contato com a água? Essas são algumas perguntas que podem aguçar a curiosidade das crianças e, ao mesmo tempo, se tornar grandes aliadas dos docentes no despertar do olhar científico-investigativo desde os primeiros anos do Ensino Fundamental.

Resultado do processo de oxidação, a ferrugem é fruto da reação química gerada pelo contato do ferro com o oxigênio presente na água e no ar. Essa explicação, quando apresentada apenas de forma teórica, é certeza de que não será compreendida pelos estudantes do primeiro ciclo do Fundamental. Especialistas ouvidos por NOVA ESCOLA, contudo, garantem que, quando ela é ensinada de forma prática, com base em experiências observacionais relacionadas à vida cotidiana, motiva desde cedo os alunos a averiguar as constantes transformações que ocorrem ao seu redor. Isso facilita o entendimento de princípios químicos que serão retomados e aprofundados até o fim do Ensino Médio.

Uma dica dada por Carlos Eduardo Godoy, assessor pedagógico de Ciências para o Ensino Fundamental I do Colégio Móbile, de São Paulo, é explicar para a turma que a ferrugem é um dos muitos fenômenos que ocorrem na natureza, assim como o crescimento dos seres vivos e a transformação da água em gelo.

Godoy recomenda que, a partir do segundo ano, os docentes criem o hábito de promover atividades observacionais para despertar a curiosidade dos pequenos. "Para ensinar a ferrugem, o professor pode pedir para os alunos pesquisarem se no portão de casa, no carro dos pais ou nas bicicletas há substâncias alaranjadas. Esse é um bom ponto de partida para explicar o fenômeno", afirma.

Praticar o registro dessas pesquisas, compartilhar resultados com os colegas por meio de argumentação e observar as relações entre os diferentes elementos da natureza são algumas atividades que, segundo Godoy, ajudam o estudante a se organizar para, desde o começo da vida escolar, desenvolver o método científico,o conjunto de regras básicas para realizar uma experiência a fim de produzir conhecimento. "É possível perceber que houve aprendizagem quando o aluno consegue generalizar o conteúdo ensinado, transferindo-o para seu cotidiano e mudando suas atitudes."

O químico Thiago Lopes, pesquisador da Sangari Brasil, em São Paulo, indica a problematização como um bom começo para a explicação da ferrugem para as crianças. "O professor pode falar que a ferrugem é composta dos três itens: ferro, água e ar. Um bom gancho para iniciar a discussão é perguntar o que se pode fazer para proteger o ferro do contato com a água e o ar em diferentes casos, como pintar a bicicleta ou manter a esponja de lã de aço embalada em lugar seco (leia mais no infográfico acima)", diz.

Lopes afirma que não é preciso que as crianças detenham conhecimentos de química para entender como evitar a ferrugem. "Dá para explicar de forma bem simples: se é preciso três elementos para que o fenômeno ocorra, então, basta tirar um deles do processo para barrá-lo."

=== PARTE 2 ====

Continue lendo a reportagem

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários
Página de > >|

 

Publicado em NOVA ESCOLA Edição 231, Abril 2010.
 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais
Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.