Revista do mês
Nova Escola
Assine Nova Escola
publicidade

O que ensinar em Ciências

A tendência atual da disciplina é fazer com que o aluno observe, pesquise em diversas fontes, questione e registre para aprender

Beatriz Santomauro

|< < Página de
 
Especial Planejamento 2014

Por quê? Essa é uma das perguntas que as crianças fazem com bastante frequência. Elas têm curiosidade em saber a origem das coisas e as causas dos fenômenos da natureza e em explorar aquilo que lhes parece diferente, intrigante. A disciplina de Ciências, quando bem trabalhada na escola, ajuda os alunos a encontrar respostas para muitas questões e faz com que eles estejam em permanente exercício de raciocínio.

Pela importância da área para a Educação, o Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) - exame que mede o nível de ensino em diversos países, de três em três anos - investiga como os estudantes de 15 anos estão em relação ao aprendizado desses conhecimentos. Infelizmente, o resultado do Brasil deixa a desejar: em 2006, o país ficou em 52º lugar (de um total de 57 nações participantes). Uma das principais causas apontadas para o fracasso é a maneira de ensinar a disciplina, que muitas vezes é apoiada em concepções equivocadas e não desperta o interesse das turmas.

 

"Trabalhar os conteúdos de Ciências é dar oportunidade a crianças e jovens de entender o mundo e interpretar as ações e os fenômenos que observam e vivenciam no dia a dia", diz Luciana Hubner, formadora de professores e selecionadora do Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10. Com a tecnologia mais presente na vida das pessoas, ter conhecimento científico também significa estar preparado para analisar as questões da contemporaneidade e se posicionar frente a elas - alguns dos objetivos da disciplina.

A percepção sobre a importância da área de Ciências na escola e na formação dos alunos é relativamente recente. Basta notar como ela demorou para ser incorporada ao currículo. Na concepção que vigorou do século 19 à década de 1950, impregnada de ideias positivistas, predominava o pensamento de que essa área do conhecimento era sempre neutra em suas descobertas e que os saberes delas decorrentes seriam verdades únicas e definitivas.

A maneira de ensinar também passou décadas apoiada na reprodução dos mesmos padrões. Acreditava-se que os fenômenos naturais poderiam ser compreendidos com base apenas na observação e no raciocínio, bastando para isso que os estudantes fossem levados a conhecer todo o patrimônio científico produzido até então e a memorizar conceitos. A metodologia que tem no professor e no livro didático o centro da transmissão de saberes ficou conhecida como tradicional ou conteudista - e ainda hoje está presente nas salas de aula.

 
=== PARTE 2 ====
=== PARTE 3 ====
=== PARTE 4 ====
=== PARTE 5 ====
=== PARTE 6 ====
=== PARTE 7 ====
Expectativas de aprendizagem em Ciências do 1º ao 9º ano

As orientações curriculares da prefeitura de São Paulo recomendam, entre outros itens, que ao fim do 5º ano os alunos sejam capazes de:

- Localizar os órgãos internos do corpo humano, reconhecendo as relações entre as funções biológicas.
- Reconhecer a necessidade de manutenção das atividades básicas do corpo para a preservação da saúde.
- Identificar doenças contagiosas e epidemias que aconteceram na cidade em passado recente, assim como as formas de preveni-las. 
- Comparar elementos físicos e biológicos de ambientes urbanos naturais e transformados. 
- Pesquisar os destinos dados aos resíduos sólidos urbanos - lixões, aterros, incineração, reciclagem - e comparar benefícios e riscos. 
- Conhecer a importância do saneamento público para a saúde e a qualidade de vida da população. 
- Argumentar sobre as vantagens e desvantagens da utilização de diferentes meios de transporte. 
- Realizar experimentalmente formas simples e domésticas de tratamento de água, como filtração e cloração.

O documento prevê ainda que os estudantes, ao fim do 9º ano, saibam:

- Organizar, individualmente e em grupo, relatos orais e registros sobre questões ambientais, estabelecendo relações entre as informações obtidas em fontes diversas e elaborando sínteses em tabelas, gráficos, esquemas, textos e maquetes. 
- Relacionar a fotossíntese, a respiração celular e a combustão nos ciclos do carbono e do oxigênio para compreender o papel da vegetação, do desmatamento e das queimadas na atmosfera. 
- Relacionar os sentidos (visão, audição, olfato, paladar e tato) ao sistema nervoso. 
- Reconhecer os agravos à saúde física e mental no uso e abuso de drogas, no sexo desprotegido, nas ações violentas e nos esportes radicais, considerando fatores psicológicos, culturais e sociais. 
- Compreender o corpo humano e sua saúde como um todo integrado por dimensões biológicas, afetivas e sociais. 
- Identificar símbolos e outras representações de aparelhos elétricos, como potência e tensão. 
- Compreender a relação entre velocidade e energia de movimento. 
- Comparar diferentes combustíveis, suas origens e seus usos. 
- Sequenciar algumas transformações de energia que ocorrem em máquinas e equipamentos, como nos veículos, na iluminação e em eletrodomésticos. 
- Comparar principais fontes e consumos de energia presentes na matriz energética brasileira. 
- Investigar e comparar diferentes modelos explicativos da constituição da matéria ao longo da história. 
- Identificar e estimar ordens de grandeza de espaço e tempo em escala astronômica, situando a Terra e o sistema solar. 
- Reconhecer a existência da força gravitacional, associando-a à atração entre objetos na Terra e no universo e relacionando-a às suas massas e respectivas distâncias. 
- Comparar os modelos geocêntrico e heliocêntrico do sistema solar, relacionando-se a diferentes visões e a aspectos sociais, culturais e filosóficos.

Quer saber mais?

CONTATOS

Antonio Carlos Pavão, pavao@ufpe.br

Escola Comunitária de Campinas, R. Egberto Ferreira de Arruda Camargo, 650, 13092-621, Campinas, SP, tel. (19) 3758-8500

Luciana Hubner, lhubner@ajato.com.br

Luis Carlos de Menezes, pensenisso@abril.com.br

Maria Teresinha Figueiredo, tere_figueiredo@hotmail.com

BIBLIOGRAFIA

A Didática das Ciências, Jean Pierre Astolfi e outros, 136 págs., Ed. Papirus, tel. (19) 3272-4500 , 31,90 reais Ciências: Fácil ou Difícil?, Nélio Bizzo, 144 págs., Ed. Ática, tel. 0800-115-152, 34,90 reais

Formação Continuada de Professores de Ciências, Luis Carlos de Menezes (org.), 176 págs., Ed. Autores Associados, tel. (19) 3289-5930 , 38 reais

História da Educação e da Pedagogia, Maria Lúcia de Arruda Aranha, 384 págs., Ed. Moderna, tel. 0800-17-2002, 50,50 reais

O Desafio de Ensinar Ciências no Século XXI, Ernst W. Hamburger e outros, 382 págs., Ed. Edusp, tel. (11) 3091-2911 (edição esgotada)

INTERNET

Expectativas de aprendizagem elaboradas pela prefeitura de São Paulo para o Ciclo I do Ensino Fundamental em http://arqs.portaleducacao.prefeitura.sp. gov.br/exp/Ciclo1.pdf e para o Ciclo II em http://arqs.portaleducacao.prefeitura. sp.gov.br/exp/Cie.pdf

Continue lendo a reportagem

|< < Página de

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários

 

Publicado em NOVA ESCOLA Edição 219, Janeiro/Fevereiro 2009. Título original: Curiosidade de pesquisador
Assine já a sua revista!
Nova Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.